Busca avançada
Ano de início
Entree

Identificação de espécies de Staphylococcus spp. isoladas de hemoculturas, gene mecA de resistência à oxacilina e dos genes icaA, icaD e icaC de produção de biofilme pela técnica de PCR multiplex

Processo: 10/14250-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2011
Vigência (Término): 31 de julho de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Biologia e Fisiologia dos Microorganismos
Pesquisador responsável:Maria de Lourdes Ribeiro de Souza da Cunha
Beneficiário:Taisa Trevizani Rocchetti
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Biologia molecular   Bactérias

Resumo

Na ultima década houve uma clara mudança na etiologia das bacterimias. Dados do National Nosocomial Infeccion Study (NNIS) mostram que os cocos Gram-positivos aeróbios têm ultrapassado os bacilos Gram-negativos como os principais agentes etiológicos, onde os Staphylococcus coagulase negativa (SCN) se tornaram os 1º agentes isolados.Os SCN foram anteriormente considerados não patogênicos ou somente parte da microbiota normal da pele humana. Porém recentemente eles têm sido implicados em uma enorme variedade de infecções tanto em hospedeiros imunodebilitados quanto em pessoas saudáveis. Dentre os Staphylococcus spp. os mais comuns encontrados em hemoculturas são S. aureus, S. epidermidis e S. haemolyticus. O principal fator de virulência dos Staphylococcus spp. está associado à formação do biofilme que propicia a adesão destes as superfícies plásticas. A aderência é mediada por uma adesina intracelular polissacarídica (PIA), codificada pelo operon icaADBC, composto de quatro genes icaA, icaD, icaC, icaB. Essa matriz extracelular pode atuar protegendo os microrganismos de agentes antimicrobianos, o que torna necessária a remoção do corpo estranho para que seja alcançada a cura. Outro fator relevante envolvido na patogênese e considerado importante é a alta taxa de isolamento de Staphylococcus spp. resistente a meticilina, fazendo com que ocorra o uso em grande escala de antimicrobianos mais caros ou tóxicos como a Vancomicina. Os antibióticos ² - lactâmicos produzem um efeito bactericida pela inibição das PBPs na síntese dos peptideoglicanos. Quando o peptideoglicano não pode ser formado, ocorre um distúrbio do mecanismo de controle das hidrolases (autolisinas), assim a bactéria entra em ciclo lítico e este processo leva a morte celular. A resistência dos Staphylococcus spp. aos antibióticos ²-lactâmicos deve-se principalmente a dois mecanismos distintos, porém ambos podem interagir. O primeiro mecanismo é a produção da enzima ²-lactamase que hidrolisa o antibiótico, e o segundo esta associada à alteração do sitio de ação dos ² - lactâmicos pela produção de uma nova proteína ligadora de penicilina, a PBP2a, codificada pelo gene mecA, contido no elemento cromossômico móvel denominado SCCmec (Staphyloccocal chromossome cassete mec), amplamente distribuído entre os Staphylococcus. Muitos laboratórios não identificam as espécies de SCN, só as identificam em S. aureus e SCN pelos testes de catalase e coagulase, pois a identificação dos SCN consiste em uma série de testes bioquímicos, que necessitam de longo período de incubação tornando-o de pouca aplicabilidade prática nos laboratórios de microbiologia clínica de rotina. Mesmo com a automação da detecção de microrganismo no sangue, a identificação e a determinação da sensibilidade aos antimicrobianos ainda são demoradas, necessitando de métodos eficientes e mais rápidos, principalmente se tratando da urgência nos casos de bacteremia. A aplicação de técnicas de biologia molecular, entre elas a reação em cadeia da polimerase (PCR) para a identificação de bactérias se mostrou uma técnica promissora devido a sua rapidez, acurácia e sensibilidade na obtenção dos resultados. As técnicas de PCR sofreram melhorias e atualmente com a técnica de PCR multiplex consegue-se detectar múltiplos patógenos e mais de um gene para cada patógeno, utilizando-se múltiplos conjuntos de primers numa única reação. Assim, este trabalho objetiva avaliar a eficiência, acurácia e sensibilidade da técnica de PCR multiplex para a detecção de espécies de Staphylococcus spp. mais encontradas em hemoculturas, a presença do gene mecA de resistência a oxacilina e dos gene icaA, icaD, icaC responsáveis pela produção do biofilme nas amostras estudadas. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
ROCCHETTI, TAISA TREVIZANI; MARTINS, KATHERYNE BENINI; FACCIOLI MARTINS, PATRICIA YOSHIDA; DE OLIVEIRA, ROGERIO ANTONIO; MONDELLI, ALESSANDRO LIA; CASTELO BRANCO FORTALEZA, CARLOS MAGNO; RIBEIRO DE SOUZA DA CUNHA, MARIA DE LOURDES. Detection of the mecA gene and identification of Staphylococcus directly from blood culture bottles by multiplex polymerase chain reaction. Brazilian Journal of Infectious Diseases, v. 22, n. 2, p. 99-105, MAR-APR 2018. Citações Web of Science: 1.
TAISA TREVIZANI ROCCHETTI; KATHERYNE BENINI MARTINS; PATRICIA YOSHIDA FACCIOLI MARTINS; ROGÉRIO ANTONIO DE OLIVEIRA; ALESSANDRO LIA MONDELLI; CARLOS MAGNO CASTELO BRANCO FORTALEZA; MARIA DE LOURDES RIBEIRO DE SOUZA DA CUNHA. Detection of the mecA gene and identification of Staphylococcus directly from blood culture bottles by multiplex polymerase chain reaction. Brazilian Journal of Infectious Diseases, v. 22, n. 2, p. -, Mar. 2018.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
ROCCHETTI, Taisa Trevizani. Detecção do operon ica da produção de biofilme, gene mecA de resistência à oxacilina e identificação de espécies de Staphylococcus spp. diretamente dos frascos de hemoculturas pela técnica de PCR multiplex. 2014. 95 f. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Faculdade de Medicina..

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.