Busca avançada
Ano de início
Entree

Verificação da capacidade de bioacumulação de cobre presente na estrutura do corante azul turquesa 15 em Daphnia similis, bem como avaliação da mutagenicidade e genotoxicidade desse corante e do reativo azul 4

Processo: 11/01717-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2011
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2013
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Farmácia - Análise Toxicológica
Pesquisador responsável:Danielle Palma de Oliveira
Beneficiário:Gabriela Meireles
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:08/10449-7 - Avaliação da ocorrência, toxicidade/genotoxicidade e processos para degradação de corantes em efluentes e águas superficiais, AP.TEM
Assunto(s):Toxicologia ambiental   Corantes   Bioacumulação   Cobre   Genotoxicidade   Testes de mutagenicidade   Ensaio cometa   Fibroblastos

Resumo

As cores sempre exerceram fascínio sobre a humanidade. Contudo, os corantes podem ser substâncias tóxicas, mutagênicas e resistentes a muitos processos de degradação encontrados em estações de tratamento. Estima-se que cerca de 10-15% dos corantes sejam perdidos durante o processo de tingimento e lançados no meio ambiente, atingindo principalmente os corpos d'água. Alguns corantes são adicionados de metais pesados na sua estrutura química, como cobre, afim de melhorar suas propriedades. Contudo, sabe-se que esses elementos podem se bioacumular nos organismos e conduzir a diversos efeitos deletérios ao ecossistema. A exposição humana aos corantes ocorre através do consumo de água contaminada e do contato com a pele. Apesar da grande quantidade de corantes comerciais disponíveis, os estudos sobre a toxicidade dessas substâncias são escassos e pouco se conhece sobre seus efeitos mutagênicos e carcinogênicos. Este projeto propõe-se a avaliar a capacidade de bioacumulação do cobre presente na estrutura molecular do corante azul turquesa 15 (AT 15) e os efeitos genotóxicos e mutagênicos dos corantes amplamente empregados pela indústria têxtil azul reativo 4 e azul turquesa 15. Para isso serão empregados testes de toxicidade aguda, crônica e de bioacumulação com o corante AT 15 e os ensaios do Cometa em fibroblastos de pele humana e o teste de Ames nas linhagens de Salmonella typhimurium TA98, TA100 e YG1041 para ambos corantes, com e sem ativação metabólica exógena (S9), afim de avaliar a toxicidade dos compostos originais e de seus produtos de biotransformação . (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
MEIRELES, Gabriela. Avaliação eco/genotoxicológica dos corantes têxteis Reactive Blue 4 e Reactive Blue 15. 2013. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto Ribeirão Preto.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.