Busca avançada
Ano de início
Entree
Conteúdo relacionado

Análise dos componentes proteolíticos e peptídicos do veneno do escorpião Tityus serrulatus: purificação e caracterização de uma metalopeptidase e busca de novos inibidores para proteases humanas

Processo: 11/02061-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2011
Vigência (Término): 30 de abril de 2013
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Saúde Coletiva - Saúde Pública
Pesquisador responsável:Fernanda Calheta Vieira Portaro
Beneficiário:Daniela Cajado de Oliveira Souza Carvalho
Instituição-sede: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo, SP, Brasil
Assunto(s):Epidemiologia   Peptídeo hidrolases   Venenos de origem animal   Escorpiões   Tityus

Resumo

Acidentes por escorpião representam um grave problema de saúde pública no Brasil. Registros apontam que nos últimos anos o número de acidentes causado por escorpiões superou os incidentes provocados por aranhas e serpentes. No país, a principal espécie responsável por esse quadro é a do escorpião Tityus serrulatus devido ao potencial do veneno para induzir manifestações clínicas graves, até mesmo fatais, principalmente entre as crianças. O veneno do T. serrulatus (VTs) é capaz de exercer uma variedade de efeitos em tecidos excitáveis por atuar no sistema nervoso periférico, onde há aumento da liberação de neurotransmissores. Na composição deste veneno, diversos polipeptídios neurotóxicos que afetam canais de Na+ e K+ podem ser encontrados, sendo esse o maior foco das pesquisas e publicações relacionadas ao assunto. Apesar da importância dessas toxinas nos efeitos do envenenamento, pouco se sabe sobre os demais componentes dos venenos de escorpiões e seus mecanismos de ação. Com isso, pouca ou nenhuma informação sobre componentes peptídicos biologicamente ativos no veneno do escorpião Tityus serrulatus está disponível na literatura. Deste modo, a descoberta de componentes peptídicos com ação inibitória/ativadora sobre enzimas proteolíticas humanas que possam estar envolvidas no envenenamento é uma das grandes motivações para o desenvolvimento deste projeto. As enzimas neurolisina, trombina e elastase foram selecionadas como alvos proteolíticos a serem inibidos ou ativados, por conta de manifestações do quadro clínico que podem ter relação com essas proteases. Ao mesmo tempo, também será investigada a ação da Antarease, metalopeptidase de T. serrulatus, no envenenamento, bem como uma caracterização bioquímica mais aprofundada, tendo em vista que até o presente momento a atividade desta protease não foi correlacionada com os efeitos provocados pelo veneno. (AU)

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.