Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização do perfil de expressão de epítopos e infectividade de amastigotas extracelulares de diferentes isolados de Trypanosoma cruzi

Processo: 11/03357-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2011
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Protozoologia de Parasitos
Pesquisador responsável:Renato Arruda Mortara
Beneficiário:Pilar Sampaio Tavares Veras
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:06/61450-0 - Estudos moleculares do Trypanosoma cruzi e de sua interação com células e fatores do hospedeiro in vitro e in vivo, AP.TEM
Assunto(s):Biologia celular   Amastigotes   Anticorpos monoclonais   Trypanosoma cruzi

Resumo

Trypanosoma cruzi é um protozoário flagelado agente etiológico da doença de Chagas com grande relevância na América Latina. T. cruzi antigamente era subdividido em dois grupos que ocupavam ambientes ecológicos distintos, Tc I ocupava o ciclo silvestre e a Tc II, o ciclo doméstico. Atualmente, a espécie T. cruzi foi reagrupada em 6 linhagens distintas, Tc I-VI com base em estudos moleculares. No entanto, poucos esforços foram realizados para caracterizar propriedades biológicas e mecanismos de invasão dos isolados recentemente reagrupados. Esta caracterização pode complementar os estudos moleculares utilizados como base para reagrupar estes parasitos. Este protozoário se caracteriza morfologicamente por apresentar três estágios evolutivos distintos: epimastigota, tripomastigota e amastigota, sendo as formas infectivas clássicas os tripomastigotas metacíclicos e os tripomastigotas sangüíneos. No entanto, sabe-se que amastigotas derivados de tripomastigotas, independente do estágio intracelular no mamífero, são também capazes de infectar células in vitro. Estes amastigotas extracelulares (AE), apresentam antígeno de superfície específico de amastigotas (Ssp-4), glicoproteína de 84 kDa ancorada à membrana por âncora GPI, reconhecida pelo anticorpo monoclonal (mAB) 2C2. Uma abordagem interessante para caracterizar diferentes isolados de T. cruzi é a utilização de mAbs que interagem com epítopos de carboidrato e não carboidrato presentes no parasito. Foram realizados estudos comparativos prévios em nosso laboratório com o objetivo de correlacionar a expressão dos epítopos de carboidrato e não carboidrato reconhecidos por mABs produzidos a partir da imunização de camundongos com extrato de amastigotas do clone D11 (cepa G) e a infectividade de diferentes isolados T. cruzi. Desta forma, o presente trabalho tem como objetivo central caracterizar diferentes isolados pertencentes às linhagens distintas de T. cruzi, a partir da expressão dos epítopos de carboidrato e não carboidrato que reagem com mAbs previamente obtidos em nosso laboratório e correlacionar a expressão dos epítopos reconhecidos por esses mAbs (2C2, 1D9, 2B7, 3G8, 3B9, 4B9, 3B2 e 4B5) com a infectividade e mecanismos de invasão destes parasitos. A caracterização do perfil de expressão dos epítopos desses isolados será realizada por citometria de fluxo e imunofluorescência. O perfil de expressão dos epítopos será correlacionado à infectividade, utilizando os diferentes mAbs para avaliá-los quanto à capacidade em bloquear a invasão do parasito. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
BONFIM-MELO, ALEXIS; FERREIRA, EDEN R.; FLORENTINO, PILAR T. V.; MORTARA, RENATO A. Amastigote Synapse: The Tricks of Trypanosoma cruzi Extracellular Amastigotes. FRONTIERS IN MICROBIOLOGY, v. 9, JUN 27 2018. Citações Web of Science: 2.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.