Busca avançada
Ano de início
Entree

Investigação de eventos genéticos associados à heterogeneidade clínica em uma família com carcinoma medular da tiróide e mutação G533C no gene RET

Processo: 11/04143-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2011
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2013
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Janete Maria Cerutti
Beneficiário:Aline Neves Araujo
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:06/60402-1 - Carcinoma medular da tiróide: revisitação à clínica, à biologia molecular, à bioquímica e à biologia do desenvolvimento depois dos achados da genética molecular, AP.TEM
Assunto(s):Carcinoma medular de tiroide

Resumo

O carcinoma medular de tiroide (MTC) é uma neoplasia das células C da tiroide que pode ocorrer na forma esporádica (75-80%) ou hereditária (20-25%). A forma hereditária pode apresentar-se isoladamente na forma de carcinoma medular de tiroide familial (FMTC) ou como um dos componentes das síndromes de neoplasia endócrina múltipla dos tipos 2A ou 2B (MEN 2A ou MEN 2B). A forma hereditária segue o padrão autossômico dominante e, é causado por mutações ativadoras nas células da linhagem germinativa no gene RET. O nosso grupo identificou uma nova mutação no exon 8 (G533C) do gene RET em pacientes com MEN 2A. O seguimento desta grande família com a mutação G533C revelou uma grande heterogeneidade clínica entre os portadores da mutação, principalmente associadas à agressividade tumoral. Assim, no presente trabalho temos como objetivo investigar se variações no número de cópias (CNVs) de segmentos DNA, presentes no DNA constitucional destes pacientes, podem estar correlacionas com a heterogeneidade clínica observada dentro desta família. Para isso, os pacientes (n=10) serão classificados, de acordo com a idade de manifestação do MTC e presença ou não de metástases, em dois grupos (5 casos em cada grupo) e as amostras serão analisadas utilizando a plataforma Genome-Wide Human SNP Array 6.0. Os achados serão validados nos demais membros da família portadores e não portadores da mutação G533C, bem como no DNA isolado a partir de amostras de MTC de pacientes com a mutação G533C. Posteriormente, pretendemos mapear possíveis regiões que apresentem variabilidade no número de cópias e correlacionar a relevância das alterações encontradas para o quadro clínico dos pacientes com os dados de indivíduos saudáveis ou não depositados em bancos de dados. (AU)