Busca avançada
Ano de início
Entree

Disfonia em professores: fatores de risco e diagnósticos laríngeos

Processo: 11/09473-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2011
Vigência (Término): 30 de setembro de 2012
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Cirurgia
Pesquisador responsável:Regina Helena Garcia Martins
Beneficiário:Caio Bosquê Hidalgo Ribeiro
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Disfonia   Professores   Otorrinolaringologia   Distúrbios da voz

Resumo

Introdução - A prevalência de distúrbios vocais em profissionais da voz, com destaque para professores, é bastante elevada, atingindo 50% nos referidos. Entre as causas mais importantes destacam-se as longas jornadas de trabalho, as inadequadas instalações nas quais trabalham, o excessivo número de alunos e outros como poluentes inalatórios e hábitos pessoais, que em conjunto provocam uma sobrecarga fonatória propícia ao aparecimento de sintomas e ao desenvolvimento de lesões vocais. Por ser a voz o principal instrumento de trabalho dos professores, os distúrbios vocais provocam severas conseqüências no rendimento profissional, podendo resultar em afastamentos, readaptações para outros cargos e até mesmo problemas emocionais no indivíduo. A diminuição da incidência de distúrbios da voz nesses profissionais está diretamente relacionada à identificação, à eliminação dos fatores de risco e à adoção de medidas preventivas de saúde vocal. Objetivos - Estudar, em professores com sintomas vocais atendidos nos ambulatórios de Distúrbios da Voz da Faculdade de Medicina de Botucatu (Unesp) os principais sintomas vocais e suas características, os co-fatores de risco e comorbidades relacionados aos sintomas vocais e os diagnósticos videolaringoscópicos. Casuística e Métodos - Serão incluídos cerca de 80 professores com sintomas vocais atendidos nos ambulatórios de Distúrbios da Voz. Estes preencherão um protocolo de avaliação contendo questões relacionadas aos distúrbios vocais, dados de identificação, sintomas associados e comorbidades. Serão submetidos aos exames de audiometria tonal e de timpanometria, sendo excluídos aqueles com surdez neurossensorial (limiares de via óssea acima de 60dB). Por fim serão submetidos aos exames de videolaringoscopia para esclarecer o diagnóstico laríngeo. Os resultados dessas avaliações serão apresentados em gráficos e tabelas e analisados por métodos estatísticos.