Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação de Astronium graveolens Jacq. como espécie bioindicadora de ozônio por meio da quantificação de injúrias foliares visíveis

Processo: 11/12433-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de setembro de 2011
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2012
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Ecologia - Ecologia Aplicada
Pesquisador responsável:Regina Maria de Moraes
Beneficiário:Jéssica Cristina Cassimiro
Instituição-sede: Instituto de Botânica. Secretaria do Meio Ambiente (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Ozônio   Monitoramento biológico   Astronium

Resumo

As concentrações de ozônio troposférico (O3) têm aumentado continuamente em áreas urbanas e rurais. A despeito disso, não se conhece praticamente nada sobre a sensibilidade das espécies tropicais a este poluente. A entrada do O3 se dá por via estomática. No interior da folha ele desencadeia uma série de reações que resultam na formação de espécies reativas de oxigênio, que podem causar danos a proteínas, lipídeos e ao DNA, afetando diversos processos metabólicos e fisiológicos. Em algumas espécies o O3 induz a formação de sintomas foliares visíveis, muito característicos. Essas espécies são consideradas bioindicadoras sensíveis e podem ser usadas no biomonitoramento das concentrações de O3. Este estudo tem por objetivo avaliar em condições de campo a sensibilidade de Astroniun graveolens ao O3, pois em estudo sob condições controladas em câmara fechada de fumigação a espécie apresentou sintomas foliares visíveis, sendo importante verificar se isto ocorre também no ambiente. O estudo será realizado no campus da Universidade de São Paulo, zona oeste da cidade de São Paulo, que apresenta altas concentrações de O3. Serão realizadas duas exposições com duração de quatro meses cada. Vinte plantas serão expostas de modo padronizado e avaliadas semanalmente com o auxílio de lupa. A avaliação segue os critérios descritos na literatura. Será estimada a superfície foliar ocupada por sintomas e classificada nas seguintes classes 1-5%, 6 - 25%, 26 - 50%, 51 - 75% e 76 - 100%. Serão calculadas a incidência, a severidade e o índice de injúria foliar, que relaciona o número de folhas em cada classe e estabelece um peso entre eles. Será verificada a correlação entre esses parâmetros e a concentração de O3 para determinar o potencial da espécie como bioindicadora de O3. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
CASSIMIRO, JESSICA C.; MORAES, REGINA M. Responses of a tropical tree species to ozone: visible leaf injury, growth, and lipid peroxidation. Environmental Science and Pollution Research, v. 23, n. 8, p. 8085-8090, APR 2016. Citações Web of Science: 2.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.