Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação funcional da enzima conversora de angiotensina I (ECA) através de mutações sítio-dirigidas.

Processo: 11/13058-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2011
Vigência (Término): 30 de abril de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Dulce Elena Casarini
Beneficiário:Larissa Miranda Pereira
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:10/51904-9 - Sistema renina angiotensina e calicreina cininas na hipertensão, obesidade, diabetes, desnutrição e sepses: mecanismos moleculares, celulares e fisiopatológicos, AP.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):12/20227-7 - Mecanismo de ativação do NF-kB no coração em diabetes, BE.EP.DR
Assunto(s):Sistema renina-angiotensina   Pesquisa médica translacional

Resumo

A hipertensão é um problema de saúde mundial que vem surgindo na população como um dos maiores desafios da saúde pública e considerada um grande fator de risco de doença cardiovascular e renal. Atualmente, vários estudos têm como foco o Sistema Renina Angiotensina, o qual é descrito como um sistema endócrino, onde a renina, uma aspartil endopeptidase, cliva o angiotensinogênio na ligação Leu10-Val11 e libera o decapeptídeo angiotensina I (AI), que é convertido em angiotensina II (AII), pela ação da Enzima Conversora de Angiotensina I (ECA). A ECA, por apresentar grande importância fisiológica, é uma enzima alvo de vários estudos terapêuticos e, desta forma, a busca pelo melhor entendimento de sua estrutura é o objetivo de muitos pesquisadores. Assim, o presente trabalho tem como objetivo geral investigar o papel de resíduos de aminoácidos da ECA na interação com o inibidor lisinopril localizados no sítio N-terminal da proteína evidenciados durante os estudos da estrutura das isoformas N-domínio da ECA, bem como, o papel desses aminoácidos na estabilidade e funcionalidade da enzima. Desta forma, os resíduos alvos deste projeto são Asp140, Gln259, His331, Ala332, Ser333, Gln355, Thr358 e Phe435 da ECA, fortes candidatos para a interação com o inibidor da ECA, lisinopril. Além disso, o resíduo Arg500 também será analisado, uma vez que parece ser essencial para a ligação do íon cloreto. É de se esperar que mutações nestas posições possam comprometer a interação do ligante (substrato/inibidor) com a ECA ou mesmo mudar o modo desta interação, tornando-a improdutiva. Assim, pretendemos mutar estes resíduos de aminoácidos para alanina e analisar o efeito da mutação realizada com relação aos processos de interação enzima-ligante e atividade funcional da enzima. O resíduo Ala332 será mutado para triptofano para verificarmos a importância espacial deste resíduo na enzima. Além disso, também pretendemos analisar a importância destes resíduos de aminoácidos para o recém descrito papel da ECA como uma molécula capaz de transduzir sinal bem como a importância dos mesmos para a isoforma N-domínio de 90kDa da ECA, possível marcador genético de hipertensão.