Busca avançada
Ano de início
Entree

Investigação do papel dos receptores intracelulares Nod1 e Nod2 na fisiopatologia da dor crônica

Processo: 11/14277-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2011
Vigência (Término): 31 de julho de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Farmacologia
Pesquisador responsável:Thiago Mattar Cunha
Beneficiário:Flávia Viana Santa Cecília
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Dor neuropática

Resumo

Dentre os receptores de reconhecimento padrão (PRRs), os Toll-like receptors (TLRs) e NOD-like receptors (NLRs) são os mais importantes e responsáveis por reconhecerem padrões moleculares associados à patógenos (PAMPs). Além disso, esses PRRs também reconhecem padrões moleculares associados à lesão (DAMPs), substâncias endógenas liberadas tanto no local da lesão quanto na circulação, e que medeiam diversos processos fisiopatológicos.A dor crônica representa um importante problema de saúde pública e, cada vez mais, existe a necessidade de entendê-la visando à obtenção de novos tratamentos. Nos últimos anos, inúmeros avanços têm sido alcançados no que diz respeito aos mecanismos moleculares que participam na indução e manutenção da dor crônica. Neste sentido, vários trabalhos têm descrito que as células da glia presentes no sistema nervoso central, principalmente na medula espinal, participam desses mecanismos, os quais ainda não estão completamente compreendidos. Recentemente, foi demonstrado que PRRs, como por exemplo, os TLRs, participam desse processo de ativação glial e, em modelos de inflamação/infecção do sistema nervoso central, os receptores TLRs e NLRs cooperam na ativação das células da glia, o que nos leva a hipotetizar que também em modelos de dor crônica, a ativação da microglia depende dos receptores NLRs. Assim, no presente estudo, avaliaremos de forma inovadora o papel dos receptores NOD1 e NOD2 na gênese da dor crônica inflamatória e neuropática, focando sua importância na ativação das células da glia, bem como suas vias de sinalização (RIPK2).

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
CECÍLIA, Flávia Viana Santa. Papel dos receptores intracelulares NOD1 e NOD2 na gênese da dor neuropática. 2015. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Ribeirão Preto.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.