Busca avançada
Ano de início
Entree

Fatores associados ao diagnóstico e encaminhamento tardio da mulher com dor pélvica crônica ao serviço especializado e a importância da participação dos médicos da rede básica de saúde

Processo: 11/14947-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de outubro de 2011
Vigência (Término): 30 de setembro de 2012
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Omero Benedicto Poli Netto
Beneficiário:Ronny da Silva Lederer
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Sistema Único de Saúde   Ginecologia   Educação médica

Resumo

A dor pélvica crônica na mulher é uma das causas mais freqüentes de procura recorrente aos serviços de saúde e, portanto, um problema de saúde pública. Recentemente realizamos um estudo onde observamos que a prevalência da doença em Ribeirão Preto é de 11,5% e cirurgia abdominal (particularmente cesária), dentre outros, é um dos principais fatores de risco associados à condição clínica. Este estudo foi devidamente avaliado pelo Comitê de Ética em Pesquisa do HC-FMRP-USP e aprovado em 22/11/2006, nº do documento 12964/2006. Esse estudo incluiu apenas mulheres entrevistadas junto à comunidade. Notamos que embora 90% delas fossem atendidas regularmente em unidades básicas de saúde e se queixavam da condição clínica, apenas 4% sabiam do diagnóstico e nenhuma delas havia sido encaminhada para um serviço de referência, mesmo sendo a média de duração dos sintomas de aproximadamente 52 meses. Paralelamente, analisando o perfil das mulheres entrevistadas e das pacientes atendidas no ambulatório especializado do HCFMRPUSP, notamos que esse grupo se diferencia em três quesitos fundamentais: intensidade de dor, duração da sintomatologia e sintomas clínicos adicionais (dispareunia, dismenorréia, queixas urinárias e intestinais) - mais freqüentes no último grupo. É sabido que esses elementos são um dos principais complicadores na abordagem das mulheres com DPC, dificultando o diagnóstico e, não raramente, dificultando o tratamento. Paralelamente, desenvolvemos outro estudo que foi recentemente enviado para publicação e está sendo avaliado, no qual estudamos as expectativas de profissionais médicos frente ao atendimento da mulher com dor pélvica crônica. E os resultados foram surpreendentes: quase a totalidade tem dificuldades em compreender de forma holística o problema e atribuiu isso a limitações de informações adquiridas durante a graduação médica. Assim, elaboramos, inicialmente, algumas hipóteses frente aos nossos resultados: 1- mulheres portadoras de dor pélvica crônica não estão recebendo o diagnóstico da doença precocemente; 2- mulheres portadoras de dor pélvica crônica estão sendo avaliadas tardiamente nos serviços especializados.Objetivos: 1- Identificar as características que distinguem essas duas populações (mulheres portadoras de DPC atendidas em unidade especializada e mulheres portadoras de DPC atendidas na rede básica de saúde); 2- Verificar qual o conhecimento que os profissionais da rede municipal de saúde têm sobre a DPC.Métodos: estudo transversal.Resultados esperados: caracterizar epidemiologicamente a dor pélvica em nosso meio fornecendo bases para novos estudos de intervenção visando reduzir seu impacto. Conscientização dos profissionais da saúde sobre a importância do diagnóstico precoce e do encaminhamento adequado aos serviços especializados. Aumento da resolutividade nos serviços especializados. Pretendemos concluir duas orientações de iniciação científica e apresentar o estudo em evento específico de iniciação científica e em um congresso nacional ou internacional de ginecologia e obstetrícia. O estudo tem importância social, científica e de formação de pessoal e tem potencial para publicação em uma revista qualis A internacional (Medicina III).