Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação comparativa do efeito analgésico do cetoprofeno isoladamente e de sua associação com tramadol em cães submetidos à facectomia.

Processo: 11/18864-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2011
Vigência (Término): 30 de abril de 2013
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Clínica e Cirurgia Animal
Pesquisador responsável:Denise Tabacchi Fantoni
Beneficiário:Tahina Ferraço
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Anestesiologia   Cetoprofeno   Tramadol

Resumo

O cetoprofeno é um fármaco pertencente ao grupo dos AINEs (antiinflamatórios não esteroidais) que, além das suas propriedades antiinflamatórias, apresenta alto poder analgésico, sendo indicado para pacientes com dor de grau leve a moderado. Seu grau de analgesia pode ser incrementado quando em associação aos fármacos opióides. O tramadol, por sua vez, é um analgésico opióide atípico de ação central indicado para o controle da dor leve a moderada. Seu uso terapêutico tem se mostrado livre de efeitos colaterais como dependência, constipação, depressão respiratória, ou comprometimento da função cardiovascular, o que tem motivado diversos estudos acerca da sua utilização na analgesia profilática, os quais têm apresentado resultados satisfatórios. Sendo assim, este trabalho tem como objetivo comparar, por meio de métodos objetivos e subjetivos de avaliação da dor, a capacidade de analgesia preventiva do cetoprofeno isoladamente e em associação com o tramadol, visando analisar sua eficácia na supressão da dor pós-operatória em cães submetidos ao procedimento cirúrgico de facectomia. Para isso serão avaliados vinte cães distribuídos aleatoriamente em dois grupos iguais, sendo que o primeiro grupo receberá na MPA o cetoprofeno (2 mg/kg, IM), e o segundo grupo receberá cetoprofeno (2 mg/kg, IM) em associação ao tramadol (2 mg/kg, IM). Ambos os grupos receberão acepromazina (0,05 mg/kg, IM). Transcorridos 15 minutos após a MPA, será iniciada a fluidoterapia com a solução de Ringer-lactato e a indução se fará com o propofol. A manutenção anestésica será feita com o isofluorano a 1,4V% (1 CAM). Será utilizado um bloqueador neuromuscular (0,6 mg/kg de rocurônio, via intravenosa) para centralizar o globo ocular. Os cães receberão, imediatamente antes do ato cirúrgico, um bôlus de remifentanil (2µg/kg, IV). Será feita a anestesia local com dexametasona (3 UI) na pálpebra superior do olho no qual será realizada a cirurgia. A monitoração anestésica se dará através da mensuração dos parâmetros fisiológicos (freqüências cardíaca e respiratória, pressão arterial sistólica não invasiva e temperatura retal) e a avaliação da dor será iniciada imediatamente após a extubação do animal, no momento basal, até seis horas após o término do procedimento cirúrgico.