Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo do potencial antialérgico de extratos provenientes da Floresta Amazônica

Processo: 11/18249-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2011
Vigência (Término): 30 de junho de 2013
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química
Pesquisador responsável:Rose Mary Zumstein Georgetto Naal
Beneficiário:Marcela Barros Motta
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Farmacêuticas de Ribeirão Preto (FCFRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Mastócitos

Resumo

Os mastócitos são células do sistema imune que desempenham um papel central em doenças alérgicas. Estas células, estimuladas por um antígeno, são submetidas a uma cascata de reações bioquímicas a qual culmina com a exocitose e liberação de mediadores químicos de resposta alérgica, incluindo histamina, serotonina e a enzima ²-hexosaminidase. O ensaio direto para a quantificação da ²-hexosaminidase, baseado em mastócitos da linhagem RBL-2H3, foi recentemente desenvolvido para a aplicação como biossensor no estudo de moléculas bioativas com potencial terapêutico. Muitas substâncias apresentam atividades biológicas relevantes, mas não podem ser empregadas como novos fármacos por causarem reações alérgicas. A vantagem do ensaio biológico para a ²-hexosaminidase, proposto para este estudo, é que o mesmo sinaliza tanto a inibição quanto o estímulo de alergias por parte da substância investigada. Além da cascata de reações intracelulares, outros processos tais como aumento do pH endossomal e liberação de espécies reativas de oxigênio (EROS) acontecem, concomitantemente, e participam da degranulação. Esse último evento, ou seja, a liberação de EROS, despertou-nos a atenção para os extratos provenientes de plantas da Floresta Amazônica tais como as espécies Byrsonima crassifolia L. (Malphigiaceae), Inga edulis L. (Leguminosae), Euterpe oleracea (Arecaceae), Bixa orellana (Bixaceae) e Dalbergia monetaria L. (Leguminosae), as quais são usadas pela população da Amazônia no tratamento de várias doenças e mostraram forte atividade antioxidante, crucial na inibição de EROS. Tais extratos são ricos em compostos polifenólicos, tais como flavonóides, conhecidos por possuirem ampla atividade biológica, incluindo a atividade antialérgica. Assim, esse trabalho tem como objetivo principal avaliar o potencial antialérgico de tais extratos e contribuir para o descobrimento de novas estruturas, ou novas alernativas, que possam amenizar os sintomas causados pelas reações alérgicas. Para os extratos que apresentarem potencial inbidor serão investigadas, também, a capacidade de inibir a produção de EROS e a citotoxicidade.