Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo da influência do tamanho da cadeia carbônica de grupos glicóis na cinética de cristalização de mulita

Processo: 11/07468-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de fevereiro de 2012
Vigência (Término): 30 de setembro de 2015
Área do conhecimento:Engenharias - Engenharia de Materiais e Metalúrgica - Materiais Não-metálicos
Pesquisador responsável:Gilmar Patrocínio Thim
Beneficiário:Tiago Moreira Bastos Campos
Instituição-sede: Divisão de Ciências Fundamentais (IEF). Instituto Tecnológico de Aeronáutica (ITA). Ministério da Defesa (Brasil). São José dos Campos , SP, Brasil
Assunto(s):Materiais cerâmicos   Processo sol-gel   Mulita

Resumo

Mulita é um material cerâmico com grandes aplicações tecnológicas. Devido as suas propriedades químicas, físicas e mecânicas ela tem sido utilizada como peças ou partes de peças que estão sujeitas à grandes esforços mecânicos e ambientes extremamente corrosivos. As suas propriedades físico-químicas estão correlacionadas com o método de síntese utilizado. Dentre os diversos métodos de síntese disponíveis para a obtenção de mulita, o método sol-gel é um dos mais atraentes, possibilitando a obtenção de materiais com elevado grau de pureza e controle de suas propriedades. Mulita pode ser obtida pelo processo sol-gel através de duas rotas de síntese: monofásico e difásico. Neste trabalho será estudada a síntese de mulita pelo processo sol-gel utilizando uma nova rota: utilizando glicóis como solventes. No trabalho de mestrado foi verificada a viabilidade de sintetizar mulita em baixa temperatura (1000 °C) pelo processo sol-gel em meio de etileno glicol, utilizando metassilicato de sódio como reagente de partida da sílica. Agora, será analisada a influência de glicóis lineares com a função álcool nas pontas, com o tamanho de cadeia de carbono variando de 2 a 6 carbonos e variando o número de OH na cadeia principal. Nesse trabalho será analisado o papel da estrutura molecular nas propriedades cinéticas de cristalização de mulita. As ligações químicas formadas entre os compostos orgânicos e os inorgânicos serão acompanhadas por espectroscopia na região do infravermelho (FTIR) e RAMAN. O estudo de cristalização de mulita será feito através das técnicas convencionais: differential thermal analysis (DTA), DRX e FTIR. A análise térmica será utilizada para a determinação dos parâmetros cinéticos de cristalização. A difração de raios-X terá duas aplicações: a primeira é para a identificação das fases cristalinas formadas até a cristalização de mulita e quantificar a mulita formada através da técnica do padrão interno. O FTIR será utilizado nesta fase do trabalho para mostrar a evolução térmica e temporal do valor de "x" (relacionado à concentração de alumina na fórmula estrutural da mulita). A morfologia do xerogel e do material calcinado será estudada por microscopia eletrônica de varredura (MEV).

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
DE ALMEIDA MARIBONDO GALVAO, NIERLLY KARINNI; DE VASCONCELOS, GETULIO; RIBEIRO DOS SANTOS, MARCOS VALENTIM; BASTOS CAMPOS, TIAGO MOREIRA; PESSOA, RODRIGO SAVIO; GUERINO, MARCIEL; DJOUADI, MOHAMED ABDOU; MACIEL, HOMERO SANTIAGO. Growth and Characterization of Graphene on Polycrystalline SiC Substrate Using Heating by CO2 Laser Beam. MATERIALS RESEARCH-IBERO-AMERICAN JOURNAL OF MATERIALS, v. 19, n. 6, p. 1329-1334, NOV-DEC 2016. Citações Web of Science: 4.
NIERLLY KARINNI DE ALMEIDA MARIBONDO GALVÃO; GETÚLIO DE VASCONCELOS; MARCOS VALENTIM RIBEIRO DOS SANTOS; TIAGO MOREIRA BASTOS CAMPOS; RODRIGO SÁVIO PESSOA; MARCIEL GUERINO; MOHAMED ABDOU DJOUADI; HOMERO SANTIAGO MACIEL. Growth and Characterization of Graphene on Polycrystalline SiC Substrate Using Heating by CO2 Laser Beam. MATERIALS RESEARCH-IBERO-AMERICAN JOURNAL OF MATERIALS, v. 19, n. 6, p. 1329-1334, Dez. 2016.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.