Busca avançada
Ano de início
Entree

A história da Caatinga: filogeografia comparada de anfíbios enfrentando um bioma xérico

Processo: 11/51392-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2012
Vigência (Término): 31 de outubro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia
Pesquisador responsável:Célio Fernando Baptista Haddad
Beneficiário:Maria Tereza Chiarioni Thomé
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Rio Claro. Rio Claro , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/50741-7 - Diversidade e conservação dos anfíbios brasileiros, AP.BTA.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):13/09088-8 - A história da Caatinga: explorando padrões filogeográficos e processos evolutivos em cada três anfíbios com dados de sequenciamento de nova geração, BE.EP.PD   12/06611-9 - A história da caatinga: mapeando padrões genéticos e processos evolutivos em uma espécie endêmica através de marcadores de evolução rápida, BE.EP.PD
Assunto(s):Clima   Biogeografia   Anfíbios

Resumo

A Caatinga é um bioma xérico que ocupa uma vasta região no nordeste do Brasil, sendo talvez o bioma menos estudado no continente Sul-Americano. Com uma biota endêmica adaptada a um clima árido e altamente sazonal, a Caatinga apresenta diversas formas de vegetação que variam com os fatores abióticos produzindo padrões regionais de distribuição de organismos. A história biogeográfica da Caatinga é desconhecida, mas os poucos dados disponíveis sobre paleoindicadores suportam um passado de interações complexas com os biomas adjacentes, relacionado com mudanças climáticas, incluindo áreas de instabilidade de habitat e a formação de conexões. A resposta da biota a estas mudanças é praticamente desconhecida e dados genéticos coletados em um enfoque filogeográfico serão necessários para examinar hipóteses de diversificação neste bioma. Para esta empreitada, anfíbios são um bom modelo biológico dado o seu constante desafio para manter o balanço hídrico, que resultou em uma variedade de adaptações desenvolvidas para suportar um regime de chuvas escassas e imprevisíveis. Neste projeto propomos a investigação da história desse bioma utilizando três anfíbios endêmicos como modelos, através de uma abordagem de filogeografia comparada. Selecionamos espécies com diferentes estratégias comportamentais e fisiológicas para melhor explorar os efeitos da história natural na diversidade genética das espécies. Dados filogeográficos serão integrados com informação disponível sobre climas passados, endemismo e fatores abióticos para construir cenários históricos que permitam o teste de hipóteses de diversificação. Este estudo avaliará também as estratégias de conservação atuais e produzir um banco de dados necessários para futuras pesquisa em biologia evolutiva neste bioma peculiar. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
THOME, MARIA TEREZA C.; CARSTENS, BRYAN C. Phylogeographic model selection leads to insight into the evolutionary history of four-eyed frogs. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, v. 113, n. 29, p. 8010-8017, JUL 19 2016. Citações Web of Science: 18.
THOME, MARIA TEREZA C.; SEQUEIRA, FERNANDO; BRUSQUETTI, FRANCISCO; CARSTENS, BRYAN; HADDAD, CELIO F. B.; RODRIGUES, MIGUEL TREFAUT; ALEXANDRINO, JOAO. Recurrent connections between Amazon and Atlantic forests shaped diversity in Caatinga four-eyed frogs. Journal of Biogeography, v. 43, n. 5, p. 1045-1056, MAY 2016. Citações Web of Science: 15.
BRUNES, TULIANA O.; THOME, MARIA TEREZA C.; ALEXANDRINO, JOAO; HADDAD, CELIO F. B.; SEQUEIRA, FERNANDO. Ancient divergence and recent population expansion in a leaf frog endemic to the southern Brazilian Atlantic forest. ORGANISMS DIVERSITY & EVOLUTION, v. 15, n. 4, p. 695-710, DEC 2015. Citações Web of Science: 7.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.