Busca avançada
Ano de início
Entree

INOCULAÇÃO DE SEMENTES COM Azospirillum brasilense E ADUBAÇÃO NITROGENADA EM CULTIVARES DE ARROZ DE TERRAS ALTAS IRRIGADO POR ASPERSÃO

Processo: 11/19242-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de dezembro de 2011
Vigência (Término): 31 de outubro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Agronomia - Fitotecnia
Pesquisador responsável:Orivaldo Arf
Beneficiário:Mayara Rodrigues
Instituição-sede: Faculdade de Engenharia (FEIS). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Ilha Solteira. Ilha Solteira , SP, Brasil
Assunto(s):Arroz   Práticas culturais

Resumo

Devido ao alto consumo de arroz, cereal que alimenta mais da metade do mundo e a exigência de novas técnicas que aumentem a produtividade, estão sendo feitas pesquisas com bactérias fixadoras de nitrogênio, que inoculadas às sementes, podem reduzir os custos da adubação nitrogenada. Dentre as bactérias testadas, o Azospirillum brasilense mostrou maior eficiência e resultados satisfatórios, sendo assim uma alternativa viável para aumentar a produção. Assim o objetivo do projeto é estudar a eficiência da fixação de nitrogênio pelas bactérias Azospirillum brasilense em dois cultivares de arroz adubado com diferentes doses de nitrogênio em cobertura. O delineamento experimental será o de blocos ao acaso disposto em esquema fatorial 2x4x2. Os tratamentos serão constituídos pela combinação de dois cultivares de arroz (IAC 202 e Ana 5011), quatros doses de N em cobertura (0, 30, 60 e 90 kg/ha) e inoculação com Azospirillum brasilense (presença e ausência), com 4 repetições. O estudo será realizado em área experimental da Fazenda de Ensino e Pesquisa pertencente à Faculdade de Engenharia - UNESP - Campus de Ilha Solteira, localizada no município de Selvíria - MS. Durante o desenvolvimento do projeto serão realizadas as seguintes avaliações: emergência das plântulas, floração, teor de N nas folhas, altura de plantas, grau de acamamento, número de panículas por m2, número de grãos por panícula, massa de 100 grãos, massa hectolítrica, produtividade de grãos e rendimento de engenho.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa: