Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise proteômica da atividade proteolítica do HF3, uma metaloproteinase do veneno da Bothrops jararaca, no plasma humano e de serpente.

Processo: 11/16623-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2012
Vigência (Término): 31 de julho de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Solange Maria de Toledo Serrano
Beneficiário:Luciana Bertholim Nasciben
Instituição-sede: Instituto Butantan. Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:98/14307-9 - Center for Applied Toxinology, AP.CEPID
Assunto(s):Espectrometria de massas   Proteômica   Metaloproteinases

Resumo

Proteinases estão presentes nos venenos de muitas serpentes e são estruturalmente classificadas como serinoproteinases semelhantes à tripsina (SVSPs - Snake Venom Serine Proteinases) e metaloproteinases (SVMPs - Snake Venom Metalloproteinases). As SVMPs são encontradas principalmente no veneno de viperídeos e são as principais responsáveis pela hemorragia, e patogênese pró-inflamatória local, observadas no envenenamento. As SVMPs são divididas em três classes principais dependendo da organização de seus domínios (P-I, P-II e P-III). Elas são membros da subfamília Reprolisina das metaloproteinases, que também inclui dois grupos de proteínas de homólogas, as ADAMs e as ADAMTSs. A classe P-III das SVMPs e as ADAMs/ADAMTs compartilham domínios homólogos do tipo disintegrina (D) e rico em cisteínas (C). Esta similaridade estrutural tem norteado diversos ensaios funcionais utilizados atualmente em toxinologia. O HF3 é uma SVMP da classe P-III, extremamente hemorrágica, que apresenta a dose hemorrágica mínima de 240 fmol em derme de coelho. Apesar das SVMPs serem altamente reativas contra os tecidos das presas, elas não afetam os componentes do próprio veneno ou os tecidos das glândulas que produzem o veneno. Uma parte deste projeto tem como objetivo avaliar o repertório de substratos (degradoma) do HF3 sobre o plasma humano in vitro, usando metodologias proteômicas. De maneira complementar, os sítios de clivagem do HF3 sobre as proteínas plasmáticas serão determinados pela utilização de uma biblioteca de peptídeos derivados do proteoma do plasma humano. Comparativamente, o degradoma do HF3 será também avaliado sobre o plasma de B. jararaca. Os resultados obtidos neste trabalho servirão de base para o entendimento da complexidade do degradoma da metaloproteinase HF3, bem como do complexo quadro fisiopatológico gerado pelas SVMPs que envolve a clivagem de proteínas plasmáticas.

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
BERTHOLIM, LUCIANA; ZELANIS, ANDRE; OLIVEIRA, ANA K.; SERRANO, SOLANGE M. T. Proteome-derived peptide library for the elucidation of the cleavage specificity of HF3, a snake venom metalloproteinase. Amino Acids, v. 48, n. 5, p. 1331-1335, MAY 2016. Citações Web of Science: 2.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.