Busca avançada
Ano de início
Entree

Evolução floral e sistemática em Galipeinae (Rutaceae)

Processo: 11/22131-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2012
Vigência (Término): 30 de junho de 2012
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Botânica - Taxonomia Vegetal
Pesquisador responsável:José Rubens Pirani
Beneficiário:Cíntia Luíza da Silva Luz
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:09/54569-9 - Evolução floral e sistemática de Galipeinae (Rutaceae), AP.R
Assunto(s):Filogenia   Sapindales   Biologia reprodutiva   Ontogenia

Resumo

Estudo de biologia floral e reprodutiva de espécies de Galipeinae (Rutaceae)Resumo: As atividades previstas para esta bolsa de treinamento técnico (nível TT-3) consistem na execução de estudos de biologia floral e reprodutiva, utilizando-se como objeto de estudo populações naturais do Espírito Santo, de duas espécies de Galipeinae (Rutaceae). O período de treinamento terá a duração de seis meses, e resultará na formação de um profissional de nível superior capacitado à realizar estudos nessas áreas de conhecimento. Objetivos: As atividades a serem desenvolvidas terão como objetivo a aprendizagem do bolsista na execução de estudos de biologia floral e reprodutiva.Metodologia: Inicialmente pretende-se familiarizar o bolsista com os estudos de biologia floral e reprodutiva. Para tanto serão selecionados partes de textos básicos e de referência da área, para serem lidos pelo aluno, e discutidos com a colaboradora do projeto, como "Techniques for pollination biologists" (Kearns, C. & Inouye, W. 1993), "Pollination Ecology: a Practical approach" (Dafne 1992). A coleta de dados será executada em Mata Atlântica na Reserva Natural Vale (Linhares, Espirito Santo). As duas espécies escolhidas para os estudos de biologia floral são Conchocarpus macrophyllus A.St-Hil e Angostura bracteata ( Nees & Mart.) Emmerich (Galipeinae, Rutaceae). Para o estudo da biologia floral, inflorescências de diferentes indivíduos das espécies de Galipeinae a serem estudadas serão marcadas e analisadas in situ quanto ao número de flores abertas por dia, horário, seqüência e duração da antese, além da disponibilidade do recurso oferecido. A morfologia das flores será observada em diferentes estádios de desenvolvimento, desde o botão até sua antese. A receptividade do estigma será verificada através do uso de Sudam III glicerinado (Johansen 1940).A observação das espécies de visitantes florais, a freqüência e o comportamento de visita serão investigados em condições naturais durante o período de floração de cada espécie, no período correspondente entre o nascer e o pôr do sol, e com eventuais observações noturnas (caso seja necessário). Os visitantes florais serão coletados para identificação e inclusão no acervo do Museu de Zoologia da USP (MZUSP) da Universidade de São Paulo.Para verificação do sistema reprodutivo serão realizados quatro tipos de experimentos: autopolinização manual, autopolinização espontânea, emasculação e polinização cruzada. Os tratamentos serão realizados em condições naturais. Deverão ser utilizadas trinta flores para cada tratamento (Kearns & Inouye 1993).Justificativa: As atividades a serem desenvolvidas se justificam pela garantia de apoio técnico ao projeto de Auxílio à Pesquisa "Evolução Floral e Sistemática de Galipeinae (Rutaceae)", estando os estudos de biologia floral das duas espécies citadas na metodologia já em etapa inicial de execução. A escolha do nível de bolsa TT3 se justifica principalmente pela necessidade de uma dedicação maior de horas de trabalho para execução dos experimentos in situ de biologia floral e reprodutiva.