Busca avançada
Ano de início
Entree

Imagem e verdade: arte, história e cientifização do conhecimento histórico no iluminismo tardio alemão

Processo: 11/51486-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2012
Vigência (Término): 31 de julho de 2012
Área do conhecimento:Ciências Humanas - História - Teoria e Filosofia da História
Pesquisador responsável:Jorge Luís da Silva Grespan
Beneficiário:André Gustavo de Melo Araújo
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Teoria da história   Verdade   História do Século XVIII

Resumo

Ao longo do século XVIII o discurso histórico se estrutura, por um lado, como uma operação retórica e, por outro, como resultado de pesquisa de base empírica. Este projeto de pesquisa de pós-doutorado propõe desenvolver um novo parâmetro de análise válido para a história da historiografia por meio do qual a produção historiográfica setecentista possa ser estudada como um problema, a um só tempo, de representação e de método. O problema de pesquisa aqui em causa diz respeito às funções e aos usos da imagem; tanto como componente verbal da tradição retórica, quanto como representação gráfica da observação empírica e sistemática do mundo. Tal conjunção foi estimulada, sobretudo, na cena universitária alemã à época do Iluminismo tardio (c. 1760 – 1810). Como as imagens verbais e pictóricas influenciaram as formas representação do passado e a determinação de um princípio de verdade válido para o conhecimento histórico? Aqui, parte-se da hipótese central de que o uso de elementos verbais e gráficos de referencial imagético pode indicar que a marca do pensamento histórico setecentista é a de ter aproximado as formas da representação narrativa a um problema do método empírico. O cerne do corpus documental a ser estudado compõe-se da obra de três autores de grande influência nesse período: Johann Christoph Gatterer (1727-1799), August Ludwig Schlözer (1735-1809) e Christoph Meiners (1747-1810). A pesquisa pretende ainda explorar em que medida os referenciais epistemológicos próprios a tal produção* historiográfica do lluminismo tardio alemão apresentam um desafio para a determinação do estatuto do conhecimento histórico no século XXI, quando os modos de percepção e circulação das experiências visuais passam a ser vistos como um problema interpretativo que ultrapassa as categorias analíticas do paradigma textual. (AU)