Busca avançada
Ano de início
Entree

Revisão taxonômica e análise filogenética do gênero Acrochaeta Wiedemann, 1830 (Diptera: Stratiomyidae: Sarginae)

Processo: 11/14472-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2012
Vigência (Término): 30 de abril de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Taxonomia dos Grupos Recentes
Pesquisador responsável:Dalton de Souza Amorim
Beneficiário:Diego Aguilar Fachin
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto (FFCLRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto, SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):13/02824-0 - Estudo da subfamília Sarginae (Diptera: Stratiomyidae) com ênfase na diversidade do gênero Merosargus Loew, 1855, BE.EP.MS
Assunto(s):Diptera   Filogenia   Zoologia (classificação)

Resumo

A família Stratiomyidae inclui aproximadamente 375 gêneros e 2800 espécies descritas para todas as regiões biogeográficas. Os estratiomídeos são dípteros braquíceros de tamanho pequeno a médio (2-28 mm de comprimento), facilmente reconhecidos pela distinta venação das asas, com uma pequena célula discal e nervuras radiais concentradas na porção anterior. A família apresenta uma grande variação morfológica, incluindo a coloração. Alguns dípteros dessa família, como Hermetia illucens Linnaeus, são de importância sanitária e forense, além da destacada importância ecológica, alimentando-se de matéria orgânica em decomposição. Contudo, seus problemas taxonômicos e a falta de especialistas trabalhando em faunas grandes, como a da região Neotropical, muitas vezes restringem sua utilização para estudos mais complexos. Dessa forma, além de permitir o treinamento de um taxonomista, o estudo da diversidade de estratiomídeos na região Neotropical tem tem urgência devido ao tamanho do grupo e à ausência de especialistas no país. Uma vez que o candidato tem experiência com a subfamília Sarginae, foi escolhido para análise o gênero Acrochaeta Wiedemann, que atualmente conta com 10 espécies descritas, das quais seis para o Brasil, e para o qual há cinco espécies novas aguardando descrição. Nunca houve revisão do gênero ou qualquer estudo filogenético ou biogeográfico. Igualmente, este projeto pela primeira vez fará um estudo morfológico da terminália masculina e feminina para as espécies do gênero. O material a ser estudado utilizará espécimes emprestados do MZUSP, do Smithsonian Institution (fornecidos pelo Dr. Norman Woodley), bem como de novas coletas na Floresta Atlântica, além de material adicional a ser solicitado de coleções no país e no exterior. O projeto fará a descrição das espécies novas, a redescrição das espécies conhecidas e uma discussão filogenética baseada na análise cladística dos caracteres levantados, além de estudos paralelos de espécies de outros gêneros da subfamília. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Novas espécies de moscas são gigantes e têm cara de marimbondo