Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito do uso de clorexidina e doxiciclina na resistência de união dentina-adesivo: avaliação in vitro imediata e após envelhecimento artificial acelerado

Processo: 11/15610-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2012
Vigência (Término): 31 de agosto de 2013
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia - Materiais Odontológicos
Pesquisador responsável:Fernanda de Carvalho Panzeri Pires de Souza
Beneficiário:Ana Beatriz Silva Sousa
Instituição-sede: Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto (FORP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Envelhecimento   Resistência de união (odontologia)   Clorexidina   Doxiciclina   Materiais compósitos

Resumo

A longevidade das restaurações com compósitos é um assunto de grande importância em Odontologia Restauradora, visto que está diretamente relacionado ao sucesso do tratamento estético. A vida útil das restaurações pode ser afetada por vários fatores; como o material empregado e o tempo de uso clínico. Além disso, recentemente, admitiu-se que a degradação da matriz dentinária por metaloproteinases da matriz (MMPs) pode afetar a integridade da interface adesiva, fazendo com que a união dentina/adesivo seja comprometida. MMPs são enzimas capazes de degradar os componentes da matriz extracelular, incluindo o colágeno. O efeito do uso de substâncias inibidoras de MMPs, como a doxiciclina e a clorexidina (CHX), tem sido investigado tanto in vivo quanto in vitro. Buscando melhores resultados na durabilidade das restaurações adesivas, o objetivo deste estudo será verificar a resistência de união dentina/adesivo de substrato dentinário tratado com clorexidina em duas concentrações (0,12% e 0,2%) e doxiciclina (30 mg/ml) e submetidos a envelhecimento artificial acelerado. Para tal, serão confeccionadas restaurações em bloco com compósito (Filtek Z350 - 3M ESPE) sobre superfícies dentinárias expostas de 96 molares humanos hígidos, previamente separados em 5 grupos de acordo com o tratamento de superfície recebido: Grupo I- Ácido fosfórico + sistema adesivo (Adpter Scotchbond Multi-Uso - 3M ESPE); Grupo II - Ácido fosfórico + CHX 0,12% + sistema adesivo; Grupo III - Ácido fosfórico + CHX 0,2% + sistema adesivo, Grupo IV - Ácido fosfórico + doxiciclina 30mg/ml + sistema adesivo. Após a confecção das restaurações em bloco, os corpos-de-prova serão cortados com discos de diamante (SYJ - 150 Digital Diamond Low Speed Saw 4, MTI Crystal, Richmond, CA, EUA -) em formato de palito (1,0 x 1,0mm), de acordo com a técnica de teste de microtração "non-trimming". Em seguida, serão novamente separados em 4 subgrupos (n=20) de acordo com o envelhecimento ao qual serão submetidos: Grupo A - EAA por 480 horas, correspondendo a 1 ano de uso clínico; Grupo B : EAA por 1440 horas, correspondendo a 3 ano de uso clínico; Grupo C : EAA por 2400 horas, correspondendo a 5 ano de uso clínico; Grupo D : Sem envelhecimento (controle). Em seguida, as amostras serão acopladas a Máquina Universal de Ensaios (Emic - 0,5mm/mim) para realização de teste de microtração. Os padrões de fratura serão analisados através de Microscópio Eletrônico de Varredura (Jeol JSM 7500 - SII, Sony, Tokyo, Japan). Avaliações da nano-infiltração e da camada híbrida também serão realizadas através de SEM sob aumento de 1000-5000 vezes. Obtidos os resultados, os dados serão submetidos à análise estatística.