Busca avançada
Ano de início
Entree

Análise fluviomorfométrica da porção setentrional do Planalto Ocidental Paulista para detecção de possíveis deformações neotectônicas

Processo: 11/16355-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de março de 2012
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Geociências - Geologia
Pesquisador responsável:Antonio Roberto Saad
Beneficiário:Daniela Rocha Porto
Instituição-sede: Universidade de Guarulhos (UNG). Campus Guarulhos-Centro. Guarulhos , SP, Brasil
Assunto(s):Morfotectônica   Neotectônica

Resumo

Mediante a aplicação de técnicas de análise fluviomorfométricas, tais como estudo dos perfis longitudinais dos cursos d'água e os índices RDE (Relação Declividade vs. Extensão), e geológica (interpretação de imagens de sensores remotos, integração de dados geológicos e geomorfológicos, basin analysis), pretende-se avaliar a possibilidade de estarem ocorrendo deformações neotectônicas na porção noroeste do Planalto Ocidental Paulista (SP). A área de estudo perfaz cerca de 40.000 km2 e tem um substrato constituído por rochas cretáceas (basaltos da Formação Serra Geral e rochas da cobertura sedimentar pós-basaltos [Formações Santo Anastácio, Adamantina e Marília]), recobertas por sedimentos quaternários aluviais, colúvios e regolitos espessos. As medidas fluviomorfométricas já obtidas deverão ser completadas neste projeto, com base em cartas topográficas em escala 1:50.000 e em Modelos Digitais de Elevação - MDEs. A interpretação de imagens de sensores remotos, de livre acesso, com o auxílio do aplicativo Global Mapper, buscará a delimitação das principais zonas morfoestruturais (e.g., áreas com solos mais espessos e depósitos aluviais mais expressivos) e das áreas mais dissecadas pela erosão (possivelmente vinculadas a blocos estruturais em ascensão). A interpretação das imagens de satélite também leva em conta a presença dos elementos rúpteis (lineamentos), que podem indicar zonas de falha e limites de blocos estruturais. Os trabalhos de campo buscarão a caracterização in loco das zonas morfoestruturais e, com especial atenção, os elementos que caracterizem deformações neotectônicas (porte e estilo estrutural), com ênfase nos limites das zonas, que poderiam caracterizar setores com comportamentos morfotectônicos diferenciados, com implicações diretas com a ação de processos de dinâmica externa.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.