Busca avançada
Ano de início
Entree

Mapas temáticos no paradigma da inclusão: cartografia quantitativa tátil

Processo: 11/20340-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de janeiro de 2012
Vigência (Término): 30 de junho de 2014
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Geografia
Pesquisador responsável:Carla Cristina Reinaldo Gimenes de Sena
Beneficiário:Cristiano Gimenez
Instituição-sede: Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Ourinhos. Ourinhos , SP, Brasil
Assunto(s):Cartografia tátil   Mapeamento geográfico   Educação inclusiva   Mapas temáticos   Ensino de geografia

Resumo

A linguagem Cartográfica tem características próprias e se apresenta eminentemente de forma visual. Refletindo sobre sua importância, é possível ver o mapa (um de seus principais instrumentos) acompanhando a história do homem, e por isso é necessário questionar-se sobre o uso do mapa por aqueles que não podem enxergar. Dentro das diversas ramificações da Cartografia, existe a Cartografia temática quantitativa, que é aquela que analisa um tema, mostrando como se dá sua divisão espacial (e/ou temporal) de acordo com as diferentes proporções existentes do objeto de estudo. Este trabalho com quantidades admite ainda vários métodos de representação e a utilização de diferentes tipos de variáveis, que serão testadas aqui de acordo com as possibilidades de adaptação no âmbito de uma Cartografia que não leve em conta em primeiro lugar a visão, e sim o tato (Cartografia tátil ) . A adaptação tátil de mapas quantitativos levará em conta a utilidade do produto final, por esse motivo o trabalho ocorrerá em parceria com deficientes visuais (cegos e portadores de baixa visão), trabalhando por mais um passo rumo ao estabelecimento do paradigma da inclusão, onde toda a sociedade se sinta responsável pelas adaptações na educação, nas linguagens, na arquitetura etc. para todos seus membros, admitindo que, se são necessárias adaptações, é porque ela não se construiu de forma a abarcar a todas as pessoas e sim, a uma questionável maioria.