Busca avançada
Ano de início
Entree

LEISHMANIOSE VISCERAL AMERICANA: AVALIAÇÃO DOS PARÂMETROS DA CAPACIDADE VETORIAL DE Lutzomyia longipalpis EM ÁREA URBANA NO ESTADO DE SÃO PAULO, BRASIL

Processo: 11/23541-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2012
Vigência (Término): 29 de fevereiro de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Parasitologia - Protozoologia de Parasitos
Pesquisador responsável:Eunice Aparecida Bianchi Galati
Beneficiário:Fredy Galvis Ovallos
Instituição-sede: Faculdade de Saúde Pública (FSP). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil

Resumo

RESUMO Introdução. As leishmanioses são problemas de saúde pública, devido à gravidade de algumas das suas formas e ampla distribuição no país. A leishmaniose visceral (LV), causada pela Leishmania infantum chagasi e transmitida por Lutzomyia longipalpis, adentrou ao estado de São Paulo pela região noroeste e se encontra em expansão. Lu. longipalpis, espécie de hábito alimentar eclético, é atraída pelo homem e, sobretudo por animais domésticos. O estudo da capacidade vetorial, definida como a taxa diária de picadas potencialmente infectivas que a população de um vetor levará a cabo ao se alimentar em um único tipo de hospedeiro, permite a elaboração de estratégias de controle mediante avaliação de parâmetros entomológicos e epidemiológicos. Objetivo. Avaliar, em condições de campo e de laboratório, os parâmetros utilizados na estimativa da capacidade vetorial da população de Lu. longipalpis em área urbana de município da região noroeste do estado de São Paulo, considerando a atratividade humana, de aves e do cão. Métodos. A sobrevida infectiva de Lu. longipalpis será calculada por meio da estimativa vertical (tábua de vida) e horizontal (captura-marcação-soltura-recaptura) de fêmeas. Os demais parâmetros a serem investigados compreenderão: atratividade do homem, galinha e cão aos flebotomíneos, infecção experimental dos flebotomíneos pela L. i. chagasi após alimentação em cães infectados, período de incubação extrínseca do parasita e duração do ciclo gonotrófico. Resultados esperados. Estimar a capacidade vetorial de Lu. longipalpis em ambiente urbano e sugerir medidas de controle que visem à redução da transmissão da LV no estado de São Paulo.

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Matéria(s) publicada(s) em Outras Mídias (0 total):
Mais itensMenos itens
VEICULO: TITULO (DATA)
VEICULO: TITULO (DATA)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
GALVIS-OVALLOS, FREDY; CASANOVA, CLAUDIO; BERGAMASCHI, DENISE PIMENTEL; BIANCHI GALATI, EUNICE APARECIDA. A field study of the survival and dispersal pattern of Lutzomyia longipalpis in an endemic area of visceral leishmaniasis in Brazil. PLoS Neglected Tropical Diseases, v. 12, n. 4 APR 2018. Citações Web of Science: 2.
GALVIS-OVALLOS, FREDY; CASANOVA, CLAUDIO; SEVA, ANAIA DA PAIXAO; BIANCHI GALATI, EUNICE APARECIDA. Ecological parameters of the (S)-9-methylgermacrene-B population of the Lutzomyia longipalpis complex in a visceral leishmaniasis area in Sao Paulo state, Brazil. PARASITES & VECTORS, v. 10, MAY 30 2017. Citações Web of Science: 5.
SEVA, ANAIA DA PAIXAO; MAO, LIANG; GALVIS-OVALLOS, FREDY; LIMA, JOANNA MARIE TUCKER; VALLE, DENIS. Risk analysis and prediction of visceral leishmaniasis dispersion in Sao Paulo State, Brazil. PLoS Neglected Tropical Diseases, v. 11, n. 2 FEB 2017. Citações Web of Science: 14.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
OVALLOS, Fredy Galvis. Leishmaniose visceral americana: avaliação dos parâmetros da capacidade vetorial de Lutzomyia longipalpis em área urbana do muncípio de Panorama, São Paulo, Brasil. 2016. Tese de Doutorado - Universidade de São Paulo (USP). Faculdade de Saúde Pública São Paulo.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.