Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito da sobrecarga nutricional crônica sobre a disfunção renal em ratos Wistar: papel do estresse oxidativo (AGE/RAGE)

Processo: 11/20950-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2012
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Nutrição
Pesquisador responsável:Camila Renata Corrêa
Beneficiário:Maria Eugenia Lopes Navarro
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FMB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Estresse oxidativo   Obesidade   Nefropatias

Resumo

A obesidade está associada com o aumento do risco de mortalidade e redução na expectativa de vida, principalmente por apresentar diversas comorbidades como diabetes mellitus tipo 2, dislipidemias, resistência à insulina e hipertensão arterial sistêmica. Estudos epidemiológicos mostram que a doença renal também é um fator comum da obesidade. O estresse oxidativo tem sido apontado como fator indutor de doença renal com o aumento do peso, pelo fato dessa condição aumentar os produtos finais de glicação (AGEs). Esses produtos são muito reativos e quando formados em excesso caem na circulação, podendo atingir diversos órgãos, entre eles, o rim, o principal órgão de excreção desses produtos. Essa exposição, dependendo da intensidade e duração, pode ser um importante fator de dano para o tecido renal, pois a ação desses produtos acontece via receptores específicos para eles, os RAGE (receptores de produtos finais de glicação). A junção AGE/RAGE promove inflamação com consequente disfunção do órgão. Sendo assim, o objetivo do trabalho é avaliar a influência da sobrecarga nutricional crônica sobre a formação de AGEs e a expressão de receptores RAGE no rim, bem como a relação desses fatores com função e inflamação renal. Para isso serão utilizados ratos Wistar machos (n=60), com 30 dias de idade. Os animais serão casualmente divididos para receberem dieta controle (C) ou hipercalórica (H), durante 6, 12 e 24 semanas, perfazendo 6 grupos experimentais independentes (C6, C12, C24, H6, H12, H24; n=15 animais/grupo). Os ratos C receberão ração padrão para roedores (RC Focus 1765, Agroceres®, Rio Claro, São Paulo, Brasil) e o grupo H uma ração hipercalórica, sendo composta por: pó de ração (RC Focus 1765, Agroceres®, Rio Claro, São Paulo, Brasil), alimentos industrializados, óleo de palma, suplemento proteico, mistura vitamínica e mineral; em adição, os animais do grupo H receberão também a adição de 300g de sacarose na água de beber; as ofertas de ração e água serão ad libitum. O consumo das dietas e a ingestão calórica serão controlados diariamente; a ingestão calórica será determinada pelo produto do consumo e teor energético das dietas. O peso corporal será aferido semanalmente e o restante das avaliações serão realizados nas 6, 12 e 24 semanas. O índice de adiposidade será utilizado como indicador de obesidade, a avaliação das comorbidades serão hipertensão arterial, perfil glicêmico e lipídico, avaliação da função3renal através da dosagem de ureia, creatinina e proteínas totais no sangue e na urina de 24 h, avaliação estrutural do rim e dosagem de AGEs no soro. No rim será determinado a expressão gênica de RAGE. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
MARIA EUGÊNIA LOPES NAVARRO; KLINSMANN CAROLO DOS SANTOS; ANDRÉ FERREIRA DO NASCIMENTO; FABIANE VALENTINI FRANCISQUETI; IGOR OTÁVIO MINATEL; DAMIANA TORTOLERO PIERINE; RENATA AZEVEDO DE MELO LUVIZOTTO; ANA LÚCIA A. FERREIRA; DIJON HENRIQUE SALOMÉ DE CAMPOS; CAMILA RENATA CORRÊA. Inflamação renal, alterações metabólicas e oxidativas após 6 semanas de dieta de cafeteria em ratos. J. Bras. Nefrol., v. 38, n. 1, p. 9-14, Mar. 2016.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.