Busca avançada
Ano de início
Entree

Caracterização molecular da gp120 do envelope do HIV-1: Implicações na diversidade genética e tropismo

Processo: 12/03839-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de março de 2012
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Biologia e Fisiologia dos Microorganismos
Pesquisador responsável:Jorge Simão do Rosário Casseb
Beneficiário:Maria José Gonçalves de Queiroz
Instituição-sede: Instituto de Medicina Tropical de São Paulo (IMT). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:11/17881-4 - Caracterização molecular da gp120 do envelope do HIV-1: implicações sobre a diversidade genética e o tropismo, AP.R
Assunto(s):HIV   Diversidade

Resumo

Os antagonistas de CCR5 são uma nova classe de drogas que bloqueiam o correceptor CCR5, impedindo a entrada do HIV na célula, levando a uma diminuição significativa da viremia. Porém, a administração desta classe de drogas implica na determinação do tropismo viral e o monitoramento da possível mudança de tropismo ao longo da infecção. Os ensaios padrão-ouro para a determinação do tropismo são pouco acessíveis, mas a difusão dos softwares preditores de tropismo a partir de sequências da região V3 representam uma alternativa mais viável para a triagem dos candidatos ao uso dos antagonistas de CCR5. Além disso, faz-se necessário o monitoramento de mutações que possam levar a resistência a essa classe de drogas. A alça V3 da gp120 do envelope do HIV-1 é considerada o principal determinante do tropismo e também o principal alvo de mutações de resistência, porém outros fatores como diferenças intrísecas entre as variantes do HIV-1, o número de sítios de N-glicosilação, variações da extensão de determinadas regiões e a carga elétrica global da gp120 também podem estar relacionadas com estas alterações virais. No presente estudo, a análise destes fatores associada à utilização de ferramentas de bioinformática, permitirá a caracterização de alterações genotípicas virais que possam estar relacionadas com o prognóstico clínico dos indivíduos infectados pelo HIV-1.