Busca avançada
Ano de início
Entree

Clonagem, expressão e purificação da proteína Tex de Xanthomonas citri subsp. citri

Processo: 11/23563-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de março de 2012
Vigência (Término): 31 de dezembro de 2012
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Jesus Aparecido Ferro
Beneficiário:Mariane Cristina Do Nascimento
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Assunto(s):Cancro (doença de planta)   Proteínas recombinantes   Interação planta-patógeno

Resumo

O Brasil é o maior produtor mundial de laranja e de suco de laranja concentrado, com o estado de São Paulo sendo o responsável por 80% da produção nacional do fruto e 98% da produção de suco concentrado. Portanto, a citricultura representa uma atividade muito importante para o país, principalmente para o estado de São Paulo.Um dos grandes problemas da citricultura são as doenças que acatam os citros. Dentre elas destacam-se o cancro cítrico, doença causada pela bactéria Xanthomonas citri subsp. citri (Xac). Para esta doença não há um controle efetivo e a maneira mais eficiente de eliminá-la de um pomar é por meio da erradicação das plantas doentes e suspeitas.O sequenciamento do genoma da Xac possibilitou o uso de plataformas de genômica funcional para a caracterização dos genes envolvidos nos processos de virulência e patogenicidade. O entendimento dos mecanismos envolvidos na interação Xac-citros é fundamental para o desenvolvimento de estratégias que levem ao controle do cancro cítrico.Em um estudo anterior conduzido no nosso laboratório a disrupção da ORF XAC2053 de Xac (gene tex) por mutagênese com o transposon Tn5 aboliu os sintomas de cancro, em contraste com a linhagem selvagem, que levou ao desenvolvimento da doença. O presente trabalho tem como objetivo clonar, expressar em E. coli e purificar a proteína Tex de Xac. A proteína recombinante purificada será utilizada posteriormente em estudos estruturais e funcionais, tal como a sua cristalização e difração do cristal por raios-X, etapa fundamental para a elucidação da sua estrutura tridimensional.