Busca avançada
Ano de início
Entree

Demografia e variação genética de onça-parda (Puma concolor, Felidae) em unidades de conservação da Serra do Mar e da Serra da Mantiqueira

Processo: 12/00534-2
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de março de 2012
Vigência (Término): 30 de junho de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Animal
Pesquisador responsável:Pedro Manoel Galetti Junior
Beneficiário:Andiara Silos Moraes de Castro e Souza
Instituição-sede: Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS). Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). São Carlos , SP, Brasil
Assunto(s):Parentesco   Conservação   Repetições de microssatélites   Demografia

Resumo

A crescente intervenção antrópica sob a Mata Atlântica danificou severamente a paisagem, restando atualmente apenas fragmentos florestais. A onça-parda (Puma concolor) ocorre nesse bioma e está ameaçada pela redução e fragmentação dos seus habitats. Populações pequenas e isoladas podem apresentar uma menor diversidade genética, o que reduz a habilidade dos indivíduos se adaptarem às mudanças ambientais, tornando-os vulneráveis a extinção. Sendo assim, estimar a variação genética das populações de onças-pardas que habitam os remanescentes de Mata Atlântica é primordial para se avaliar a condição genética atual da espécie e, deste modo, proporcionar subsídios para a criação de estratégias de conservação e manejo. Amostras de fezes serão coletadas em Unidades de Conservação presentes na Serra do Mar e na Serra da Mantiqueira. Será determinada a espécie depositora das fezes através da extração de DNA e amplificação de uma região do gene mitocondrial citocromo b, específica para felinos. Posteriormente as amostras de onça-parda serão individualizadas utilizando locos de microssatélites polimórficos específicos da espécie. Com o painel de genótipos multilocos de todos os indivíduos amostrados serão feitas estimativas de densidade populacional, diversidade e parentesco genético em cada uma das Unidades de Conservação, e avaliação da diferenciação genética entre eles. A sexagem molecular será realizada por meio da amplificação de uma porção do gene amelogenina, com o intuito de verificar a proporção sexual em cada Unidade de Conservação.