Busca avançada
Ano de início
Entree

Efeito do lítio sobre a expressão de microRNAs induzida por beta-amilóide em cultura primária de neurônios hipocampais

Processo: 11/20295-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de abril de 2012
Vigência (Término): 30 de setembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Biologia Molecular
Pesquisador responsável:Daniel Shikanai Kerr
Beneficiário:Victor Junji Yamamoto
Instituição-sede: Instituto de Psiquiatria Doutor Antonio Carlos Pacheco e Silva (IPq). Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP (HCFMUSP). Secretaria da Saúde (São Paulo - Estado). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Doença de Alzheimer   Lítio   Genética médica   MicroRNAs

Resumo

A doença de Alzheimer (DA), com uma estimativa de 35 milhões de casos, é a causa mais comum de demência. Embora aspectos fisiopatológicos importantes da doença sejam conhecidos, ainda não existe tratamento eficaz. A literatura recente aponta o uso do lítio como alternativa para o tratamento da DA, tanto em prevenção quanto progressão. Em tais estudos são explorados os efeitos neuroprotetores e neurotróficos dessa substância, capaz de regular a atividade de proteínas pró e antiapoptóticas. Diversas alterações na expressão gênica e proteica já foram descritas na DA, inclusive aquelas decorrentes da regulação por microRNAs (miRNA). miRNAs são pequenas moléculas de RNA com aproximadamente 22 nucleotídeos capazes de modular a expressão gênica pós-transcricional, regulando até 30% de toda expressão proteica de uma célula. Propomos neste projeto o estudo do efeito do lítio sobre a expressão de miRNA em cultura primária neuronal tratada com peptídeo ²-amilóide (AB). O tratamento de cultura primária neuronal com AB é um modelo de neurodegeneração in vitro, bastante utilizado para o estudo da DA. Já foi mostrado que o tratamento com AB altera a expressão de alguns miRNAs em cultura neuronal primária. Os mecanismos pelos quais o lítio exerce seus efeitos ainda não são completamente conhecidos, mas, sabe-se que pode alterar a expressão de miRNAs. Pretendemos aprofundar o conhecimento fisiopatológico da DA, identificando miRNAs que tenham expressão alterada pelo AB, bem como avaliar se o lítio é capaz de alterar a expressão destes no nosso modelo de estudo. Por fim, o tratamento conjunto com AB e lítio, pode mostrar se possíveis efeitos do lítio na toxicidade do AB se dão por modulação da via de miRNAs. (AU)