Busca avançada
Ano de início
Entree

Repercussão da prolactina e do seu inibidor, a bromocriptina, na interação epitélio-estroma da próstata do gerbilo da Mongólia

Processo: 12/00695-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de abril de 2012
Vigência (Término): 31 de março de 2016
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Morfologia - Citologia e Biologia Celular
Pesquisador responsável:Sebastião Roberto Taboga
Beneficiário:Marianna Zanatelli
Instituição-sede: Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (IBILCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José do Rio Preto. São José do Rio Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Prolactina   Próstata   Castração animal

Resumo

A próstata é uma glândula acessória do sistema genital responsável pela secreção e armazenamento de líquido com propriedades nutritivas. É encontrada na maioria dos mamíferos e, nos últimos anos, tem se discutido a presença de próstata feminina nestes organismos, considerando-se seu relevante papel nas funções reprodutivas. A porção secretora da próstata tanto masculina, quanto feminina, é revestida por um epitélio composto por células secretoras e basais, e seus ácinos e ductos prostáticos estão inseridos em um estroma fibromuscular. Para nosso grupo de pesquisa a adoção do gerbilo da Mongólia (Meriones unguiculatus) como modelo experimental tem trazido resultados muito satisfatórios, uma vez que os lobos prostáticos dos gerbilos machos apresentam alto grau de semelhança com a próstata masculina humana e a próstata feminina é composta por tecido bem volumoso e ativo nos processos de secreção. A prolactina (PRL) é um hormônio polipeptídico com síntese pituitária e extrapituitária. Atualmente, são atribuídas a este hormônio mais de 300 atividades biológicas no organismo, dentre elas, funções envolvidas com a reprodução. Já se sabe haver uma relação entre os níveis de prolactina e o aumento de patologias prostáticas em homens, além de que a PRL é responsável pelo desenvolvimento de inflamações, displasias e adenocarcinomas neste tecido. No entanto, o papel exato da prolactina em patologias da próstata ainda não é bem definido. Estudos já demonstraram que os níveis de PRL circulante aumentam com a idade e que sua concentração é ainda maior quando se desenvolvem estas patologias. Sendo assim, este projeto tem como objetivo avaliar o efeito da prolactina sobre a manutenção da histofisiologia prostática de machos e fêmeas adultos do gerbilo da Mongólia. As análises terão como principal intuito a caracterização da atuação deste hormônio na próstata feminina e a comparação dos efeitos do mesmo entre a glândula masculina e feminina. Para isso, animais adultos serão submetidos à castração e administração do inibidor de prolactina, a bromocriptina, bem como à administração de prolactina exógena, em dois períodos de tratamento, 7 e 30 dias. Após estes tratamentos as próstatas ventrais dos machos e os complexos prostáticos das fêmeas serão submetidos a análises histológicas, morfométrico-estereológicas, sorológicas e imunocitoquímicas. Os resultados obtidos com este estudo serão muito importantes para compreensão da participação da prolactina na fisiologia e manutenção da próstata tanto masculina, quanto feminina. (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
ZANATELLI, MARIANNA; CUSTODIO, ANA M. G.; BIANCARDI, MANOEL F.; SANTOS, FERNANDA C. A.; GOES, REJANE M.; FALLEIROS-, JR., LUIZ R.; VILAMAIOR, PATRICIA S. L.; TABOGA, SEBASTIAO R. Ovariectomy increases the phenotypic plasticity of the female prostate epithelium in the Mongolian gerbil (Meriones unguiculatus). REPRODUCTION FERTILITY AND DEVELOPMENT, v. 29, n. 9, p. 1751-1762, AUG 2017. Citações Web of Science: 0.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
ZANATELLI, Marianna. . 2016. Tese de Doutorado - Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Instituto de Biologia.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.
Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.