Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da influência de células de mieloma múltiplo, câncer de mama e melanoma na expressão de RANKL e OPG em osteoblastos.

Processo: 12/05187-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de maio de 2012
Vigência (Término): 31 de outubro de 2013
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Odontologia
Pesquisador responsável:Ana Paula Dias Demasi
Beneficiário:Jéssica Beatriz Borges
Instituição-sede: Centro de Pesquisas Odontológicas São Leopoldo Mandic. Faculdade São Leopoldo Mandic (SLMANDIC). Sociedade Regional de Ensino e Saúde S/S Ltda (SRES). Campinas , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:09/52200-8 - Estudo da função das peroxirredoxinas I e IV em células de mieloma múltiplo: avaliação de seu potencial como alvos terapêuticos, AP.JP
Assunto(s):Osteoprotegerina   Receptor ativador de fator nuclear kappa-B   Patologia

Resumo

O Mieloma Múltiplo (MM) é uma neoplasia sanguínea que ocorre na medula óssea caracterizada pela proliferação clonal de plasmócitos, responsáveis pela produção e secreção de imunoglobulinas. Esta proliferação pode resultar em supressão hematopoiética, infecções, falência renal, e lesões líticas ósseas. O MM é o câncer que mais frequentemente envolve os ossos, sendo que até 90% dos pacientes desenvolvem lesões. Além disso, a doença óssea derivada do MM difere das metástases ósseas causadas por outros tumores, uma vez que o MM, além de causar o aumento da destruição óssea pela indução da atividade osteoclástica como outros tumores, ainda provoca a repressão da atividade osteoblástica, ou seja, de formação óssea. Fatores osteoclastogênicos são produzidos em alta quantidade pelas células do MM e do microambiente ósseo, especialmente por osteoblastos e células do estroma. Dentre estes fatores, o ligante do receptor ativador do fator nuclear NF-kB (RANKL), atuando em receptores (RANK) presentes na superfície de células precursoras de osteoclastos, promove a diferenciação de osteoclastos e sua sobrevivência. Em contrapartida, a osteoprotegerina (OPG), produzida também por osteoblastos e por linfócitos B, atua como receptor solúvel de RANKL, inibindo sua ligação ao receptor e, consequentemente, a osteoclastogênese. Portanto, o balanço entre RANKL e OPG é essencial para o remodelamento ósseo normal. As células do MM, além de induzirem a expressão de RANKL por células do estroma, produzem diretamente esta proteína e ainda promovem a redução da secreção de OPG por osteoblastos e células do estroma. A combinação destes efeitos resulta numa relação RANKL/OPG aumentada no ambiente da medula óssea, favorecendo a formação e ativação de osteoclastos. Além do MM, os principais tipos de câncer com metástases ósseas são os de mama, próstata, e pulmão. Já com o malanoma, a ocorrência de metástase óssea não é um evento freqüente. Não se sabe se o direcionamento ao tecido ósseo é inerente a alguns tipos de tumor ou simplesmente ocorre pela localização, ou seja, pela proximidade das células tumorais. Para melhor compreensão dos mecanismos de degradação do tecido ósseo relacionados a processos de metástase, pretendemos avaliar a influência de diferentes tumores malignos sobre a viabilidade e atividade de osteoblastos.