Busca avançada
Ano de início
Entree

Utilização de células dendríticas pulsadas com o peptídeo 10 (P10) de Paracoccidioides Brasiliensis no controle da paracoccidioidomicose experimental. reversão do estado anérgico e controle da infecção aguda

Processo: 12/01596-1
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de junho de 2012
Vigência (Término): 31 de março de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Biologia e Fisiologia dos Microorganismos
Pesquisador responsável:Carlos Pelleschi Taborda
Beneficiário:Leandro Buffoni Roque da Silva
Instituição-sede: Faculdade de Medicina (FM). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Paracoccidioidomicose   Células dendríticas

Resumo

Paracoccidioidomicose (PCM), micose sistêmica prevalente na América Latina, é uma doença granulomatosa causada pelo fungo termodimórfico Paracoccidioides brasiliensis. O maior número de casos tem sido reportado no Brasil, Colômbia e Venezuela. Células dendríticas são as células apresentadoras de antígenos mais eficientes, e quando utilizadas como adjuvante elas são de 100 a 1000 vezes mais eficientes na apresentação de um peptídeo que um adjuvante não específico. O peptídeo P10 é um trecho específico de 15 aminoácidos derivado da gp43 secretada pelo fungo, que é reconhecido pelos linfócitos T induzindo uma resposta preferencialmente do tipo Th1 e conferindo proteção no modelo experimental. Resultados preliminares obtidos em nosso laboratório demonstraram que células dendríticas pulsadas com o peptídeo P10 podem ser utilizadas com adjuvante no tratamento da paracoccidioidomicose experimental. Nesse sentido, o presente trabalho tem como objetivos analisar o efeito terapêutico das células dendríticas pulsadas com o peptídeo P10 em camundongos B10.A, BALB/c, A/J e C57/BL6; verificar por imuno-histoquímica, a atividade das células dendríticas pulsadas com P10 no recrutamento de outras populações celulares nos pulmões de camundongos infectados; avaliar a capacidade de reversão do estado anérgico em camundongos infectados com P. brasiliensis e P. lutzii e verificar a produção de citocinas pró-inflamatórias e a estrutura pulmonar dos animais infectados e imunizados com as células dendríticas pulsadas com o peptídeo P10.

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.