Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo filogenético de Mycoplasma bovis isolados de vacas com mastite e estudo etiológico dos principais agentes contagiosos causadores de mastite: Staphylococcus aureus e Streptococcus agalactiae

Processo: 12/08640-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de maio de 2012
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Medicina Veterinária - Medicina Veterinária Preventiva
Pesquisador responsável:Helio Langoni
Beneficiário:Luiz Marcos Frediani Portela
Instituição-sede: Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:11/21009-0 - Estudo filogenético de Mycoplasma bovis isolados de vacas com mastite e estudo etiológico dos principais agentes contagiosos causadores de mastite: Staphylococcus aureus e Streptococcus agalactiae, AP.R
Assunto(s):Mastite bovina   Leite   Mycoplasma bovis   Staphylococcus aureus   Streptococcus agalactiae

Resumo

A mastite é a inflamação da glândula mamária, caracterizando-se como a doença infecciosa mais comum no gado leiteiro. Esta enfermidade causa inúmeros prejuízos, tanto pela queda na produção leiteira, como na qualidade do leite produzido, aumento no custo de tratamentos, e pelo descarte precoce de vacas que apresentam casos de mastite crônica. Os principais agentes contagiosos das mastites são: Staphylococcus aureus, Streptococcus agalactiae e Mycoplasma spp.. A infecção intramamária causada por estes agentes pode se tornar um sério problema para rebanhos leiteiros. No caso específico de micoplasma o tratamento é difícil, pois são microrganismos resistentes a maioria dos antimicrobianos utilizados e a mastite pode se tornar crônica e com alta contagem de células somáticas (CCS). Na maioria dos estudos sobre mastite, relata-se a alta prevalência de Streptococcus agalactiae e Staphylococcus aureus, já que estes patógenos podem ser isolados e identificados por meio de métodos microbiológicos convencionais, porém, Mycoplasma bovis necessita de meios de cultura e condições especiais para isolamento. Dessa forma, acredita-se que a real prevalência de Mycoplasma bovis é, provavelmente, subestimada. Assim, o presente estudo tem por objetivo isolar e caracterizar genotipicamente cepas de Mycoplasma bovis a partir de amostras de leite, verificando assim, a sua real prevalência no leite e tetos de animais com mastite, além do estudo da etiologia das mastites com base nos principais agentes contagiosos causadores, como Staphylococcus aureus e Streptococcus agalactiae, entre outros. (AU)