Busca avançada
Ano de início
Entree

Intermidialidade, estética e política no cinema chinês de Jia Zhang-ke

Processo: 12/08694-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Apoio a Jovens Pesquisadores
Vigência (Início): 01 de maio de 2012
Vigência (Término): 31 de agosto de 2014
Área do conhecimento:Linguística, Letras e Artes - Artes - Cinema
Pesquisador responsável:Cecilia Antakly de Mello
Beneficiário:Cecilia Antakly de Mello
Instituição-sede: Escola de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (EFLCH). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus Guarulhos. Guarulhos , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:11/20692-9 - Intermidialidade, estética e política no cinema chinês de Jia Zhang-ke, AP.JP
Assunto(s):Autoria   Realismo

Resumo

A Bolsa Jovem Pesquisador em Centros Emergentes permitirá a criação de uma nova linha de pesquisa na UNIFESP Campus Guarulhos, dedicada ao desenvolvimento e à aplicação de um conceito original de intermidialidade cinematográfica. Em um primeiro momento, as hipóteses serão lançadas a partir da obra do diretor chinês Jia Zhang-ke, e no curso da pesquisa poderão ser testadas a partir da obra de outros diretores. Jia é considerado o maior expoente da "sexta geração" do cinema chinês, também conhecida como a "geração urbana" por seu enfoque na vida e na paisagem das cidades de seu país. Gostaria de sugerir que sua obra procura responder à nova conjuntura histórico-social da China através de uma estética original, que nasce do problema da intermidialidade, aliado a um impulso autoral e realista. Isso significa que, por um lado, seu cinema se define pela crença de cunho baziniano na vocação natural da arte cinematográfica pelo realismo, o que transforma sua câmera em uma fonte de poder. Por outro lado, esse enlace com o real ocorre também através de recursos estéticos encontrados em outras tradições artísticas chinesas, tais como a pintura e a arquitetura. A pesquisa investigará então de que modo os termos "intermidialidade" - que aponta para o entrecruzamento do cinema com as outras artes - e "realismo" e "autoria" - normalmente associados à sua especificidade - se misturam no cinema de Jia Zhang-ke. Essa mistura, que cria suas próprias regras, afina-se a um regime estético das artes, nos termos de Jacques Rancière, e deriva sua força da criação de um dissenso, que reúne os impulsos realista e autoral dessa intermidialidade crítica em um impulso político, produto da interação entre a História e a Poesia. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Revista Pesquisa FAPESP sobre a bolsa::
Os olhos da China