Busca avançada
Ano de início
Entree

Habitação em áreas centrais: problemas, políticas e possibilidades

Processo: 12/05078-5
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de junho de 2012
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Sociais Aplicadas - Arquitetura e Urbanismo - Fundamentos de Arquitetura e Urbanismo
Pesquisador responsável:Maria Cristina da Silva Schicchi
Beneficiário:Ligya Hrycylo Bianchini
Instituição-sede: Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias. Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC-CAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Habitação social   Centros históricos   São Paulo

Resumo

Impulsionado pela economia cafeeira, o centro da cidade de São Paulo adquiriu o caráter de centralidade já nas primeiras décadas do século XX. Iniciada a ocupação das áreas centrais pelo comércio e os serviços, a expansão da cidade se deu de forma rápida e desordenada, com a ocupação de áreas de várzeas e encostas, desprezadas pela população de maior poder aquisitivo, iniciando também um processo de segregação social com a ocupação por sub-habitações. Por outro lado, a intensidade das atividades na área central atraiu uma população vinda do campo, a partir da abertura de novas frentes de trabalho nas cidades, num período em que a produção industrial ganhou força. Essa população, em grande parte formada por imigrantes e sem poder aquisitivo para se tornar proprietária ou alugar um imóvel próximo ao emprego, teve que recorrer aos cortiços como única forma de se fixar na cidade. Porém, a partir da década de 1970, o centro também começa a apresentar um decréscimo de população residente, com o deslocamento das atividades financeiras para novas centralidades, acompanhadas da formação de novos bairros residenciais de classes de maior renda, deixando um grande número de edifícios vazios ou subutilizados.Num primeiro momento o estudo procurará conhecer e apresentar o estado atual da habitação social no centro de São Paulo, para em seguida ganhar um cunho mais analítico, utilizando-se de uma revisão da literatura atual sobre experiências recentes de abordagem do problema, envolvendo a análise de projetos, planos e programas aplicados em outras cidades, avaliação, em alguns aspectos, comparada, visando oferecer novos horizontes para a discussão da questão. (AU)