Busca avançada
Ano de início
Entree

Polimorfismos GSTM1, GSTT1 e GSTP1 da enzima glutationa S-transferase como fatores moduladores do fenótipo da anemia falciforme

Processo: 12/02171-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de junho de 2012
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Claudia Regina Bonini Domingos
Beneficiário:Willian Marcel Barberino
Instituição-sede: Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas (IBILCE). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de São José do Rio Preto. São José do Rio Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Anemia falciforme   Estresse oxidativo   Polimorfismo genético   Hematologia

Resumo

A anemia falciforme (AF) é uma anemia hemolítica hereditária que acarreta ao portador manifestações clínicas complexas e diversificadas. Estima-se que no Brasil, cerca de 25.000 a 30.000 apresentam a AF e mais de sete milhões com o traço falciforme. Na AF o estresse oxidativo é um dos fatores que exercem influência no fenótipo do portador, uma vez que influencia nos processos de vaso-oclusão aumentando as propriedades adesivas dos eritrócitos, leucócitos e plaquetas ao endotélio. Durante a transformação do eritrócito discóide com Hb S em eritrócito afoiçado, dentre os eventos bioquímicos e polimerizantes da célula, ocorre a degradação oxidativa dessa Hb, com a liberação dos seus produtos de degradação, complexos de Fe2+ e Fe3+, que atacam a membrana eritrocitária formando os hidroperóxidos lipídicos originando radicais alcoxil e peroxil. Estes agentes pró-oxidantes, portanto, promovem a oxidação de lipídeos e também de proteínas e DNA, modificando mecanismos celulares que levam a célula a apoptose e, consequentemente, causam danos aos tecidos. Neste contexto, os principais meios de defesa no organismo são divididos em 2 grupos, enzimáticos e não enzimáticos. Entre as enzimas detoxificantes de fase II mais estudadas estão as GSTs, que pertencem a uma família multifuncional de enzimas que catalisam a conjugação da molécula de GSH e possuem um papel fundamental em mecanismos de defesa contra compostos endo e xenobióticos. As GSTs são divididas em 8 classes, porém as mais estudadas são GSTM1, GSTT1 e GSTP1 pois podem conferir baixa atividade enzimática, comprometendo as defesas antioxidantes do organismo. Considerando a grande incidência da AF em nosso país e as manifestações clínicas diferenciadas nos portadores, o presente trabalho pretende investigar os polimorfismos das GSTs (GSTT1, GSTM1 e GSTP1) e verificar sua influência sob parâmetros oxidativos - peroxidação lipídica por MDA e lesão de DNA por micronúcleo e cometa em portadores da AF.

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
BARBERINO, Willian Marcel. Polimorfismos GSTM1, GSTT1 e GSTP1 da enzima Glutationa S-transferase como fatores moduladores do fenótipo na anemia falciforme. 2014. 94 f. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" Instituto de Biociencias, Letras e Ciencias Exatas..

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.