Busca avançada
Ano de início
Entree

Mecanismos da recuperação ciliar após o trauma acústico induzido pelo ruído

Processo: 12/04701-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2012
Vigência (Término): 30 de junho de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Fonoaudiologia
Pesquisador responsável:Miguel Angelo Hyppolito
Beneficiário:Gleice Cristina Colombari
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Perda auditiva induzida por ruído

Resumo

A exposição excessiva ao ruído é a maio causa mundial de dano auditivo permanente e foi definida como uma prioridade de saúde pública pela Organização Mundial da Saúde. Foi demonstrada em recentes estudos a incorporação sistemática de monômeros de actina na ponta dos estereocílios em feixes ciliares maduros, evidenciando o que até então não se sabia, a existência de um processo de renovação continuo ("turnover") e a regulação do comprimento dos estereocílios. A rotatividade de 48 horas para esse processo de renovação em feixes ciliares maduros é o mesmo tempo de recuperação de uma perda auditiva temporária por exposição ao ruído, TTS, indicando que o estereocílio pode exercer um papel ainda desconhecido na recuperação. Os mecanismos moleculares envolvidos na renovação ciliar após o trauma acústico não são completamente estabelecidos, necessitando de definições sobre a recuperação espontânea ciliar, a ocorrência de mecanismos intrínsecos de "turnover" ciliar ou a existência de processos de regeneração ciliar envolvidos nesta recuperação, culminando com o restabelecimento funcional auditivo.OBJETIVO: Estudar a estrutura e função ciliar pela expressão ciliar das formas de actina (²-actina e F-actina) nas células ciliadas cocleares após o trauma acústico agudo, correlacionando com os mecanismos envolvidos na recuperação espontânea ciliar e mecanismos de regeneração ciliar. (E a correlação com os achados funcionais não coloca no objetivo?)MATERIAL E MÉTODOS: Ratos albinos machos, linhagem Wistar, serão expostos a um ruído branco na faixa de 4 kHz com intensidade igual a 110 dB NPS por 72 horas para gerar um trauma acústico. Serão definidas duas situações: grupo 1 (G1) e grupo 2 (G2). Para cada situação haverá diferentes momentos de avaliação audiológica por meio das Emissões Otoacústicas Evocadas Produtos Distorção e Potencial Evocado Auditivo de Tronco Encefálico, no G1, nos momentos pré-ruído e pós-ruído e G2 nos momentos pré-ruído, pós-ruído e pós-repouso auditivo de 5 dias. Após eutanásia, todas as cócleas serão preparadas para estudo histológico. O teste de TUNEL será realizado para análise de apoptose "in situ" e a imunofluorescência será utilizada para marcar as proteínas ²-actina e F-actina.