Busca avançada
Ano de início
Entree

Avaliação da função renal na obesidade juvenil induzida por dieta hiperlipídica em ratos após o desmame: papel do sistema renina angiotensina

Processo: 12/11698-6
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Doutorado Direto
Vigência (Início): 01 de julho de 2012
Vigência (Término): 30 de abril de 2016
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Mirian Aparecida Boim
Beneficiário:Rosemara Silva Ribeiro
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:10/51904-9 - Sistema renina angiotensina e calicreina cininas na hipertensão, obesidade, diabetes, desnutrição e sepses: mecanismos moleculares, celulares e fisiopatológicos, AP.TEM
Assunto(s):Nefrologia   Testes de função renal   Exercício físico   Obesidade   Síndrome metabólica   Dieta hiperlipídica   Sistema renina-angiotensina   Modelos animais

Resumo

A obesidade é definida com um distúrbio dos sistemas reguladores do peso corporal e frequentemente está associada à presença de Síndrome Metabólica (SM), definida como um conjunto de doenças que afetam o organismo. Tanto a obesidade isolada quanto a SM são responsáveis pelo desenvolvimento de diversas patologias como dislipidemia, hipertensão, inflamação, nefropatia e outras. Entre os mecanismos envolvidos no desenvolvimento destas patologias destaca-se o Sistema Renina Angiotensina (SRA), uma vez que a obesidade é associada à hiper estimulação do SRA. Está bem estabelecido que a prática de exercício físico tem ação benéfica sobre o organismo podendo induzir também renoproteção. Diante disso, este trabalho pretende avaliar a relação entre a obesidade precoce e a SM no aparecimento das lesões renais em ratos jovens e adultos alimentados com dieta hiperlipídica após o desmame e as consequências sobre a função renal na vida adulta. Pretendemos avaliar também o efeito da supressão do SRA, bem como os efeitos do exercício físico e finalmente avaliar o efeito do retorno à dieta normolipídica. Para isso serão utilizados ratos Wistar machos de três semanas, que serão divididos em dois grupos: controle (CT) e dieta hiperlipídica (DH), os animais serão acompanhados durante 8 semanas, após esse período, serão divididos nos seguintes subgrupos: controle (CT); controle+exercício (CTEX); dieta hiperlipídica (DH), dieta hiperlipídica+exercício (DHEX), dieta hiperlipídica+losartan (DHLos) e dieta padrão (DP), o qual deixará de receber dieta hiperlipídica e passará a receber dieta padrão. O exercício será constituído de corrida em esteira. Todos os animais serão seguidos por mais 8 semanas. Ao final do protocolo (total de 16 semanas) os animais serão sacrificados. O peso corporal, ingestão de alimento e água e a pressão arterial de cauda (plestimografia) serão aferidos semanalmente. Os animais serão colocados em gaiola metabólica no inicio, meio e fim do protocolo para coleta de urina para determinação da proteinúria, creatinina e eletrólitos. Ao final do protocolo será coletada amostra de sangue para análise do perfil lipídico, glicemia, creatinina e eletrólitos. Os rins, o fígado e o tecido adiposo serão retirados para análise histológica e imuno-histoquímica para detecção de marcadores inflamatórios e dos componentes do SRA. Os resultados preliminares mostram que após 8 semanas de dieta hiperlipídica, não houve diferença no ganho de peso e na pressão arterial sistólica entre os grupos CT e DH, entretanto os animais do grupo DH apresentaram aumento macroscópico no conteúdo de gordura abdominal. Além disso, apresentaram redução no volume urinário e menor ingestão de água. (AU)