Busca avançada
Ano de início
Entree

Estudo proteômico da transição epitelial mesenquimal no câncer de mama

Processo: 12/02518-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2012
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Bioquímica - Química de Macromoléculas
Pesquisador responsável:Vitor Marcel Faça
Beneficiário:Daniele Albuquerque
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:11/09740-1 - Identificação e validação de assinaturas moleculares relacionadas à metástase do câncer através de análise proteômica detalhada e dirigida da transição epitelial - mesenquimal em adenocarcinomas, AP.JP
Assunto(s):Biomarcadores   Espectrometria de massas   Metástase   Proteômica   Neoplasias mamárias

Resumo

O câncer de mama mata anualmente mais de 450 mil pessoas no mundo, sendo considerado um dos maiores problemas de saúde pública da mulher. Apesar dos avanços científicos no entendimento da doença e dos métodos de diagnóstico por imagem, um dos grandes desafios relacionados ao câncer de mama ainda é a resolução da alta heterogeneidade clínica e molecular deste carcinoma, o que dificulta o seu diagnóstico e tratamento. O câncer de mama é causado por diversas alterações genéticas e epigenéticas, onde a mutações mais comuns nos genes BRCA-1 e BRCA-2 e também em TP53, PTEN, ATM, CDH1, CHEK2 e STK11 (LKB1) são frequentemente detectadas. Além destas mutações, a autossuficiência das células neoplásicas em fatores de crescimento, como o TGF-² ou o EGF, permite com que o tumor evolua para estágios mais avançados e desenvolva o processo metastático. Estes mesmos fatores de crescimento são também indutores do processo denominado Transição Epitelial-Mesenquimal (EMT), onde células epiteliais normais, durante a embriogênese, ou células malignas, durante a progressão tumoral e metástase, perdem seus contatos intracelulares e adquirem caráter migratório. Desta forma, a EMT induzida por TGF-² e/ou EGF é considerada como um dos mecanismos de progressão tumoral em adenocarcinomas e também como processo gerador de células tronco do câncer. Assim, neste estudo utilizaremos técnicas de análise proteômica quantitativa baseada em marcação isotópica de células em cultura (SILAC), em conjunto com fracionamento celular e de proteínas intactas e cromatografia líquida acoplada à espectrometria de massas avançada para estudar o processo EMT em linhagens celulares do câncer de mama. As células do câncer de mama serão estimuladas à EMT em cultura com os fatores de crescimento TGF-² e EGF a fim de induzir o caráter migratório, representando assim um modelo controlado de metástase. Com esta abordagem, esperamos identificar proteínas importantes para o processo de progressão e metástase no câncer de mama e que potencialmente sirvam como alvos para a inibição da metástase e/ou diagnóstico da doença metastática.