Busca avançada
Ano de início
Entree

Variação morfológica e molecular das populações de Mesoclemmys vanderhaegei (Testudines: Chelidae)

Processo: 12/08639-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de julho de 2012
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Zoologia - Taxonomia dos Grupos Recentes
Pesquisador responsável:Hussam El Dine Zaher
Beneficiário:Rodrigo Araujo de Souza
Instituição-sede: Museu de Zoologia (MZ). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Herpetologia   Morfometria geométrica   Pleurodira

Resumo

Mesoclemmys vanderhaegei Bour, 1973 pertence à família Chelidae, que apresenta maior diversidade de espécies na América do Sul. Apesar de não se suspeitar do monofiletismo da família, há muitas dúvidas sobre as relações entre os táxons de Chelidae, com a possibilidade de vários grupos se revelarem parafiléticos. Mesoclemmys vanderhaegei tem uma ampla distribuição no centro-sul do continente sul-americano, havendo sido estudada mais especificamente sob uma temática ecológica. Seus aspectos taxonômicos e filogenéticos, porém, ainda necessitam de uma investigação mais detalhada, visto que o grupo pode representar um complexo de espécies. Ciente da importância que a identificação correta dos grupos monofiléticos tem para o desenvolvimento de projetos de conservação, o presente trabalho pretende investigar as características morfológicas e moleculares das populações de M. vanderhaegei. Para tanto, em um primeiro momento, pretende-se caracterizar morfologicamente e molecularmente as populações conhecidas da espécie em toda a sua área de distribuição. O estudo anatômico se concentrará na morfologia da cabeça, da carapaça e do plastrão, empregando o método de morfometria geométrica. O estudo molecular deverá abordar questões sobre o monofiletismo de Mesoclemmys vanderhaegei, e procurar alocá-lo na filogenia do gênero. Para isso, será utilizada a diversidade molecular de dois genes mitocondriais (CoI e Cytb) e um gene nuclear (R35). Esta diversidade será analisada através de métodos filogenéticos (Máxima Parcimônia, Máxima Verossimilhança e Inferência Bayesiana) e de estimativas de parâmetros populacionais (índices de diversidade, fluxo gênico, flutuação do tamanho populacional e migração).