Busca avançada
Ano de início
Entree

Um pensador da raça: Edison Carneiro, relações raciais e campo intelectual no Brasil

Processo: 12/09284-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2012
Vigência (Término): 06 de agosto de 2015
Área do conhecimento:Ciências Humanas - Sociologia
Pesquisador responsável:Antonio Sérgio Alfredo Guimarães
Beneficiário:Luiz Gustavo Freitas Rossi
Instituição-sede: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Bolsa(s) vinculada(s):13/25912-2 - Um pensador da raça: Edison carneiro, relações raciais e campo intelectual no Brasil (BEPE), BE.EP.PD
Assunto(s):Relações raciais

Resumo

Interessado nos modos como marcadores sociais de diferenças são retraduzidos em formas simbólicas específicas, este projeto de pós-doutorado pretende investigar as inflexões das relações e distinções étnicas no campo intelectual brasileiro por meio da carreira e da trajetória social de Edison Carneiro (1912-1972), intelectual baiano, mulato, nascido em Salvador, cuja produção esteve atrelada, sobretudo, à seara de discussões das relações raciais e das culturas de origem africana no Brasil. O foco da pesquisa incide sobre a inteligibilidade dos contextos de operação e agenciamento das categorias étnico-raciais na vida e obra de Edison Carneiro, apreendidas a partir de recortes que visam, de um lado, adensar o conhecimento do processo de gênese, formação e consolidação do campo de estudos das relações raciais, em sua interface com as transformações destravadas pela institucionalização das ciências sociais brasileiras a partir dos anos de 1930, e, de outro, empreender uma sociologia ou uma história social da cultura que, atenta às intersecções entre marcas da experiência social e produção simbólica, seja capaz de desvelar os problemas associados à autoridade, aos constrangimentos e aos espaços possíveis dos intelectuais negros no Brasil moderno. (AU)

Matéria(s) publicada(s) na Agência FAPESP sobre a bolsa:
Edison Carneiro: o Ogã comunista