Busca avançada
Ano de início
Entree

Mortalidade neonatal precoce na coorte de nascimentos de Ribeirão Preto do ano de 2010

Processo: 12/10523-8
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de agosto de 2012
Vigência (Término): 31 de julho de 2013
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Saúde Materno-infantil
Pesquisador responsável:Viviane Cunha Cardoso
Beneficiário:Natacha Bíscaro Junqueira
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:08/53593-0 - Fatores etiológicos da prematuridade e conseqüências dos fatores perinatais na saúde da criança: coortes de nascimentos em duas cidades brasileiras, AP.TEM
Assunto(s):Pediatria   Recém-nascido prematuro   Assistência perinatal   Recém-nascido de baixo peso   Mortalidade infantil   Mortalidade neonatal precoce

Resumo

Introdução: Classicamente, a mortalidade infantil é considerada um dos melhores indicadores do nível de vida e bem estar social de uma população. O Brasil ainda conta com níveis alarmantes e eticamente inaceitáveis de mortalidade infantil, apesar das taxas decrescentes nos últimos dez anos. A partir da década de 90, no país, os óbitos neonatais passaram a ser o principal componente da mortalidade no primeiro ano de vida, em função das intervenções globais que favoreceram o decréscimo da mortalidade infantil pós-neonatal e da maior complexidade dos fatores biológicos, socioeconômicos e assistenciais determinantes da mortalidade nos primeiros dias de vida. Objetivos: Calcular a mortalidade neonatal precoce na coorte de nascimentos de 2010 em Ribeirão Preto/SP e discutir sua associação com fatores de risco biológicos, socioeconômicos e assistenciais. Comparar os resultados obtidos em Ribeirão Preto, no período estudado, com as coortes de nascimento de 1978 e 1994. Metodologia: Estudo observacional, prospectivo, de coorte, inserido no projeto temático "Brazilian Ribeirão Preto and São Luís Birth Cohort (BRISA), no qual foram avaliados 7443 pares de mães e seus RN de parto hospitalar no ano de 2010. As puérperas responderam a questionário padronizado sobre questões sociodemográficas, de saúde, alimentação, atividade física e atendimento pré-natal. Foram obtidas informações de prontuário médico sobre o parto e o RN. Para o presente estudo serão buscados os registros dos óbitos ocorridos entre 2010-2011, pelo SIM e SINASC. A variável dependente será mortalidade neonatal precoce; e as independentes serão peso ao nascer e idade gestacional. As variáveis de confusão serão sociodemográficas (idade materna no parto, estado civil, escolaridade e cor da pele materna) e clínicas (sexo do RN, RCIU, malformações congênitas, tipo de parto, internação em UTI, gemelaridade, antecedentes gestacionais maternos e de RN de BPN, gestações anteriores, partos e abortos prévios, atendimento pré-natal, diagnóstico de doenças maternas infecciosas ou crônicas antes ou durante a gestação, tabagismo, alcoolismo ou uso de outras drogas. O teste U de Mann-Withney e o teste t Student serão utilizados para comparação das variáveis contínuas e o teste de Shapiro-Wilks o Lillefors para normalidade de distribuição. O efeito potencial das variáveis de confusão sobre a associação com as medidas pré-estabelecidas dos resultados será explorado mediante a estratificação e modelos de regressão logística múltipla. Será realizada uma análise de subgrupos estratificados segundo peso ao nascer e idade gestacional, e uma análise de sensibilidade para explorar, por exemplo, o tempo de vida ao falecer. O valor p<0.05 será considerado como indicador de significação estatística. Para os cálculos se utilizará o programa Stata versão 9.0.