Busca avançada
Ano de início
Entree

Participação das fibras nociceptivas aferentes no efeito antinociceptivo da acupuntura em modelos de hipernocicepção aguda, persistente e neuropática

Processo: 12/03496-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de agosto de 2012
Vigência (Término): 31 de julho de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina
Pesquisador responsável:Sérgio Henrique Ferreira
Beneficiário:Marcelo Lourenço da Silva
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Assunto(s):Dor neuropática   Dinoprostona   Inflamação   Acupuntura   Farmacologia

Resumo

Alterações plásticas nos neurônios sensitivos que transmitem a nocicepção em nível central e periférico são responsáveis pelas modificações nas sensações dolorosas observadas durante o processo inflamatório. De fato, durante a inflamação ou até mesmo, em algumas situações, após a sua resolução ocorre aumento da excitabilidade (sensibilização) de uma classe específica de neurônios nociceptivos primários, devido à ação direta e indireta de vários mediadores inflamatórios. As fibras nociceptivas de pequeno diâmetro (fibras C) possuem um importante papel na detecção de estímulos nocivos, dando início à transmissão da informação dolorosa. As fibras C são de extrema importância na transmissão da informação nociceptiva e parecem ser fundamentais na gênese da dor inflamatória, sendo classificadas através de critérios morfológicos em peptidérgicas e não-peptidérgicas. As fibras C peptidérgicas são capazes de produzir e liberar neuropeptídeos, como a substância P (SP) e o peptídeo relacionado ao gene da calcitonina (CGRP) e expressam o receptor neurocinina 1 (NK-1R). A outra população de fibras C, as não peptidérgicas, expressa o receptor purinérgico P2X3 e apresentam ligação para a isolectina B4. Outro tipo de fibra, as fibras A-delta, conduzem informações para áreas nociceptivas específicas nas lâminas I e II da superfície do corno dorsal da medula espinal e também para neurônios na lâmina V, os quais codificam tanto informações de estímulos inócuos quanto nocivos. As fibras A-delta sintetizam e liberam mediadores como o glutamato e expressam o neurofilamento 200. Adicionalmente, não estão esclarecidos quais os tipos de fibras aferentes participam da indução da analgesia por acupuntura. O ponto de maior discórdia é se as fibras aferentes do tipo C estão envolvidas. Deste modo, o presente projeto pretende elucidar o papel das fibras aferentes na antinocicepção induzida por acupuntura em diferentes modalidades em diferentes modelos de hiperalgesia inflamatória. Através deste tipo de estratégia, será realizado técnicas de biologia molecular para avaliar o efeito acupuntura, manual ou eletroacupuntura de 2Hz ou 100Hz, sobre a expressão de diferentes marcadores nos nociceptores, pretendemos dessa forma contribuir para o entendimento do papel funcional das fibras aferentes na antinocicepção induzida pela acupuntura no modelo de hiperalgesia inflamatória aguda, persistente e neuropática.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.