Busca avançada
Ano de início
Entree

Adaptações cardiovasculares induzidas por um modelo crônico de apneia obstrutiva do sono em ratos

Processo: 12/00635-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2012
Vigência (Término): 31 de maio de 2014
Área do conhecimento:Ciências da Saúde - Medicina - Clínica Médica
Pesquisador responsável:Sergio Luiz Domingues Cravo
Beneficiário:Aline Priscila Pansani
Instituição-sede: Escola Paulista de Medicina (EPM). Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). Campus São Paulo. São Paulo , SP, Brasil
Assunto(s):Hipertensão   Apneia obstrutiva do sono   Fisiopatologia

Resumo

A apnéia obstrutiva do sono (AOS) é o distúrbio mais frequente do sono, e está relacionada à hipertensão arterial. Dentre os mecanismos propostos para explicar esta relação está a hiperatividade simpática. Nosso laboratório desenvolveu um modelo de AOS em ratos que utiliza um balão intratraqueal para causar oclusões das vias aéreas superiores e estas oclusões podem ser deflagradas de acordo com o estágio do ciclo sono-vigília. Assim, o objetivo deste trabalho é verificar se há alteração crônica da pressão arterial e da modulação autonômica de ratos no modelo de AOS crônica e quais respostas estão envolvidas nestas alterações, como arritmias cardíacas, alteração da função ventricular, clico respiratório e saturação de oxigênio . Utilizaremos ratos Wistar, machos, submetidos ao modelo de AOS. Os ratos serão separados em três grupos: 1) SHAM (ratos submetidos aos procedimentos cirúrgicos, sem apnéia; 2) apnéia obstrutiva no sono REM (obstruções somente na fase REM do sono); 3) apnéia obstrutiva aleatória (Obstruções independentes do ciclo sono-vigília). O registro do eletroencefalograma será feito por um período de 24h para o estagiamento do sono. Para verificarmos o efeito da cronicidade dos eventos obstrutivos, a apnéias ocorrerão por um período de 30 dias, seguido por um período de recuperação de 30 dias. As variáveis analisadas serão: pressão arterial, frequência cardíaca, variabilidade da frequência cardíaca, saturação periférica de oxigênio e função ventricular. As análises estatísticas serão feitas de acordo com a normalidade dos dados. A significância será de 5%.