Busca avançada
Ano de início
Entree

O papel das ectonucleotidases e da adenosina no estabelecimento da imunossupressão induzida pela sepse

Processo: 12/10100-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de setembro de 2012
Vigência (Término): 29 de agosto de 2017
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Imunologia - Imunologia Celular
Pesquisador responsável:José Carlos Farias Alves Filho
Beneficiário:Daniele Carvalho Bernardo Nascimento
Instituição-sede: Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP). Universidade de São Paulo (USP). Ribeirão Preto , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:13/08216-2 - CPDI - Centro de Pesquisa em Doenças Inflamatórias, AP.CEPID
Bolsa(s) vinculada(s):15/25974-3 - Papel da ectonucleotidase CD39 no estabelecimento da imunossupressão induzida pela sepse, BE.EP.PD
Assunto(s):Adenosina   Imunorregulação   Imunossupressão   Sepse   Linfócitos T reguladores

Resumo

A sepse é uma resposta inflamatória sistêmica decorrente de uma infecção, a qual é caracterizada por lesão tecidual, extensiva apoptose e disfunção do sistema imune, que geralmente leva ao desenvolvimento de um quadro de imunossupressão tardio. O estabelecimento da imunossupressão na sepse envolve a produção de mediadores anti-inflamatórios, ativação alternativa de macrófagos (M2) e aumento do número de células T reguladoras (Tregs), o que compromete a proliferação e função de células T efetoras e leva ao aumento da susceptibilidade a infecções secundárias. A adenosina é um nucleosídeo de purina que tem sido implicado na modulação da resposta inflamatória. Recentemente, foi demonstrado que a adenosina promove a ativação de macrófagos M2 e diferenciação de Tregs via receptores de adenosina tipo A2. Além disso, a adenosina produzida pelas Tregs tem sido considerada um importante mediador do efeito supressor dessas células sobre a função das células T efetoras. Nesse sentido, tem sido demonstrado que os macrófagos M2 e as Tregs expressam altos níveis de ectonucleotidases CD39/ENTPD1 e CD73/ecto-5' nucleotidase, enzimas que geram adenosina através da degradação de ATP. Na sepse, tem sido observado um aumento da quantidade de adenosina no sangue durante a fase aguda da doença. No entanto, ainda não está claro qual o papel das ectonucleotidases e da adenosina no desenvolvimento da imunossupressão induzida pela sepse. Neste sentido, o presente projeto tem como objetivo determinar a participação da adenosina e das ectonucleotidases no estabelecimento da imunossupressão séptica. Pretendemos investigar se a adenosina e a ectonucleotidases (CD39 e CD73) estão envolvidas na diferenciação de macrófagos M2 e Tregs, bem como no comprometimento da capacidade proliferativa das células T efetoras. Os resultados desse projeto serão importantes para um melhor entendimento dos mecanismos envolvidos na fisiopatologia da sepse, bem como podem contribuir para o desenvolvimento de terapias mais efetivas para o tratamento desta doença que ainda carece de um tratamento eficaz.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.