Busca avançada
Ano de início
Entree

Epidemiologia molecular e estudo dos fatores de virulência de Staphylococcus aureus resistentes à oxacilina isolados de feridas em pacientes atendidos em unidades básicas de saúde da cidade de Botucatu

Processo: 12/15946-4
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Programa Capacitação - Treinamento Técnico
Vigência (Início): 01 de setembro de 2012
Vigência (Término): 28 de fevereiro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Microbiologia - Biologia e Fisiologia dos Microorganismos
Pesquisador responsável:Maria de Lourdes Ribeiro de Souza da Cunha
Beneficiário:Priscila Luiza Mello
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:11/10146-7 - Epidemiologia molecular e estudo dos fatores de virulência de Staphylococcus aureus resistentes à oxacilina isolados de feridas em pacientes atendidos em unidades básicas de saúde da cidade de Botucatu, AP.R
Assunto(s):Ferimentos e lesões   Staphylococcus aureus   Fatores de virulência   Oxacilina   Farmacorresistência bacteriana   Bacteriologia   Epidemiologia molecular

Resumo

O Staphylococcus aureus é uma importante bactéria envolvida em infecções adquiridas tanto na comunidade como em hospitais. Destaca-se por sua patogenicidade, disseminação, produção de toxinas e biofilme e grande capacidade de adaptação e resistência a antibióticos. Diante da importância do S. aureus como um dos microrganismos mais freqüentemente isolados em feridas, este estudo objetiva avaliar a diversidade genética, disseminação, fatores de virulência e resistência antimicrobiana de amostras de Staphylococcus aureus isoladas de feridas de pacientes atendidos nas 17 unidades básicas de saúde da cidade de Botucatu, durante o período de um ano. Serão excluídos aqueles que apresentarem internação ou procedimentos invasivos a menos de um ano. A coleta do material da ferida será realizada com "swab" estéril e após a coleta os materiais serão imediatamente encaminhados ao Laboratório de Bacteriologia do Departamento de Microbiologia e Imunologia do Instituto de Biociências da UNESP, para realização da semeadura e posterior identificação dos microrganismos isolados. O teste de sensibilidade às drogas antimicrobianas será realizado pela técnica de difusão da droga em ágar a partir de discos impregnados conforme critérios recomendados pelo Clinical and Laboratory Standards Institute, utilizando-se os seguintes discos: Oxacilina, Cefoxitina, Eritromicina, Vancomicina, Clindamicina, Levofloxacina, Penicilina G, Gentamicina, Sulfametazol/Trimetropim, Linezolida, Quinupristina/Dalfopristina, Tigeciclina e Ácido Fusídico. Também será realizado a triagem para detecção de resistência à vancomicina e o teste D para detecção de resistência induzida à Clindamicina. Será realizada as reações em cadeia da polimerase (PCR) para detecção dos genes codificantes de toxinas e biofilme e PCR multiplex para caracterização do tipo de cassete cromossômico estafilocócico mec (SCCmec). Será realizado o PCR em tempo real para detecção rápida do gene mecA e leucocidina Panton-Valentine. A tipagem por Gel de Eletroforese em Campo Pulsado (PFGE) será realizado para identificar os perfis clonais das linhagens de S. aureus e os clusters de maior freqüência serão seqüenciados por Multilocus Sequence Typing (MLST) e spa typing. (AU)