Busca avançada
Ano de início
Entree

Potencial das pastagens da Flórida para contribuir com o sequestro de c e mitigação das mudanças climáticas

Processo: 12/02668-6
Linha de fomento:Bolsas no Exterior - Estágio de Pesquisa - Doutorado
Vigência (Início): 22 de maio de 2012
Vigência (Término): 21 de outubro de 2012
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Zootecnia - Pastagens e Forragicultura
Pesquisador responsável:Ana Cláudia Ruggieri
Beneficiário:Mariana Vieira Azenha
Supervisor no Exterior: Maria L. Silveira
Instituição-sede: Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias (FCAV). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Jaboticabal. Jaboticabal , SP, Brasil
Local de pesquisa : University of Florida, Gainesville (UF), Estados Unidos  
Vinculado à bolsa:10/12401-1 - Compostos de reserva das plantas e matéria orgânica do solo de pastos de capim-marandu submetidos à intensidades de pastejo em lotação contínua, BP.DR
Assunto(s):Sequestro de carbono

Resumo

Pastagens representam por 25% da superfície terrestre Estimou-se que, 29,5 a 110 TgC pode ser sequestrado anualmente nos sistemas de pastagem nos EUA. Melhoria da gestão pode expandir ainda mais o potencial da pastagem (mitigação de 2 a 8 % até 2020), melhorando a resistência dos ecossistemas aos impactos das alterações climáticas. Uma variedade de práticas de manejo têm sido sugeridas para aumentar o seqüestro de C no solo. Estes incluem a fertilização, manejo do pastejo, irrigação e uso de gramíneas forrageiras altamente produtivas e espécies de leguminosas. Como melhores práticas de gestão são normalmente benéficas para a produção de forragem e gado, podem também constituir um incentivo para os produtores a adotar estratégias que aumentam a pools de C do solo. Apesar do aumento da demanda para o uso mais intensivo da terra, pouco se sabe sobre como as mudanças no uso e manejo do solo pode afetar o seqüestro de C em pastagem. Isto é particularmente importante nos EUA, onde o desenvolvimento urbano é cada vez mais competindo com os recursos naturais para a terra. É evidente que a redução das áreas de pastagens e gestão associada com a mudança do uso da terra, provavelmente fará mudanças nas espécies, alocação de C, e, portanto, podem ter grandes impactos sobre a ciclagem de C global. Portanto, compreender as mudanças que ocorrem na dinâmica de C no solo em função da intensificação de gestão é essencial para prever as taxas de decomposição C e susceptibilidade a perdas e, conseqüentemente, os impactos do manejo de pastagem em solos que seqüestram C e potenciais mitigação de gases de efeito estufa. Devido a ampla distribuição de pastagens em todo o mundo, a informação baseada na ciência é necessária para abordar o comportamento do ecossistema (ou seja, taxas de acumulação de C, particionamento e alocação, e as emissões de gases de efeito estufa) nas práticas de manejo de pastagem. Ao se aumentar o seqüestro de C no solo terá impactos significativos sobre a qualidade do solo em geral e pode potencialmente contribuir para a sustentabilidade dos ecossistemas campestres nos EUA.O objetivo a longo prazo é proporcionar uma base científica para melhorar a resiliência dos ecossistemas de pastagens e, portanto, a adaptação à mudança climática. O objetivo geral deste projeto, que é um passo em direção a realização do nosso objetivo de longo prazo, é determinar a longo prazo (> 15 anos) impactos da conversão do uso da terra de pastagens nativas em intensivamente gerenciados pastagens melhoradas sobre os montantes e características dos estoques de C no solo e as emissões de gases de efeito estufa e através de diferentes formas de manejo de pastagem. A hipótese central é que as práticas de gestão destinados a aumentar a biomassa e produção de gado e intensificação do uso da terra, tais como a conversão de terras em faixa sistemas de pastagens melhoradas e da introdução de pastagem, controle de produção de matéria orgânica, distribuição e qualidade e, portanto, ter efeitos importantes no seqüestro de C e emissões de gases de efeito estufa em sistemas de pastagens. A justificativa para o estudo das características de C do solo no contexto da pastagem intensiva de gerenciamento de sistemas é que a agricultura representa 14% das emissões globais de gases de efeito estufa ou cerca de 6,7 Gt de CO2 equivalente por ano. Emissões de gases de efeito estufa de mudança no uso da terra representam 17% do total. Assim, sustentando produtividade no uso do solo existente e restauração potencial de áreas degradadas pode ser uma opção de mitigação atrativo e econômico para reduzir as emissões de gases de efeito estufa. (AU)