Busca avançada
Ano de início
Entree

Biodiversidade de helmintos de peixes da RPPN Foz do Aguapeí, Noroeste do Estado de São Paulo, Brasil

Processo: 12/09771-7
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Pós-Doutorado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2012
Vigência (Término): 31 de outubro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Agrárias - Recursos Pesqueiros e Engenharia de Pesca - Recursos Pesqueiros de Águas Interiores
Pesquisador responsável:Reinaldo José da Silva
Beneficiário:Érica de Oliveira Penha Zica
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Biodiversidade   Helminthes   Parasitos

Resumo

A grande heterogeneidade dos habitats encontrada na região Neotropical leva a um aumento significativo na diversidade de espécies de peixes e conseqüentemente dos parasitos associados. Muitos estudos teóricos e empíricos têm mostrado que os parasitos são extremamente importantes para o funcionamento e conservação dos ecossistemas. Os parasitos de peixes têm sido usados como ferramentas importantes na avaliação de ecossistemas aquáticos, pois indicam alterações e perturbações de ordem natural e antropogênica. Além disso, o uso de parasitos de peixes em análises ecológicas podem nos ajudar a entender melhor o funcionamento dos ecossistemas, haja vista que eles são peças chaves no meio ambiente. O escopo deste projeto é caracterizar a composição e estrutura das comunidades componentes de helmintos de peixes em riachos e lagoas da unidade de conservação (Reserva Particular do Patrimônio Nacional - Foz do Aguapeí), localizada a noroeste do estado de São Paulo (Paulicéia, Castilho e São João do Pau d'Alho) e analisar o possível efeito das mudanças hidrológicas sobre essas comunidades de parasitos. Neste contexto, estudos de helmintofauna de peixes em riachos e lagoas são de grande relevância, contribuindo para o aumento do conhecimento dos padrões e processos das relações parasito-hospedeiro. Além disso, em espécies de peixes ainda não estudadas quanto à fauna parasitária (a exemplo das espécies propostas neste estudo), é possível que novas espécies de parasitos sejam descritas, permitindo futuras inferências biogeográficas e filogenéticas da associação hospedeiro-parasito. Este estudo contribuirá para o melhor entendimento das relações ecológico entre os parasitos, hospedeiros e o ambiente. (AU)