Busca avançada
Ano de início
Entree

Novas abordagens mecanísticas da reação de Morita-Baylis-Hillman (AZA, clássica e assimétrica) por espectrometria de massas

Processo: 12/10701-3
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de outubro de 2012
Vigência (Término): 30 de setembro de 2014
Área do conhecimento:Ciências Exatas e da Terra - Química - Química Orgânica
Pesquisador responsável:Marcos Nogueira Eberlin
Beneficiário:Renan de Souza Galaverna
Instituição-sede: Instituto de Química (IQ). Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Campinas , SP, Brasil
Assunto(s):Espectrometria de massas   Reação de Morita-Baylis-Hillman

Resumo

Os mecanismos de reações podem ser propostos com base na reatividade dos compostos químicos envolvidos. No passado, estas propostas eram sustentadas (ou desacreditadas), basicamente por meio do isolamento dos intermediários ou com base em dados cinéticos e espectroscópicos. Além disso, a dificuldade em se detectar espécies transientes em solução dificultava a consolidação e elucidação desses mecanismos.O entendimento de mecanismos que operam em tais processos químicos desperta o fascínio dos químicos orgânicos sintéticos, sendo um constante desafio nesta área.O avanço da espectrometria de massas, dirigida pelo melhoramento dos métodos de ionização a pressão atmosférica (API - atmospheric pressure ionization), ionização por elestrospray (ESI - eletrospray ionization) , ionização química a pressão atmosférica (APCI - atmospheric pressure chemical ionization) e fotoionização a pressão atmosférica (APPI - atmospheric pressure photoionization) , viabiliza a investigação direta de reações químicas em solução. Além disso, torna possível a detecção e estudo não apenas de reagentes e produtos de reações, mas também de intermediários transientes, trazendo novas abordagens às investigações dos mecanismos de reações. Diante disso, neste projeto de pesquisa estamos propondo a realização de uma detalhada investigação mecanística das três versões de Morita-Bayllis-Hilman (MBH-clássica, aza e assimetrica), aplicando a técnica de espectrometria de massas ESI-MS/MS, a fim de elucidar e reforçar propostas atualmente sugeridas na literatura. Uma nova abordagem será utilizada para as versões MBH-aza e clássica, que são os reagentes marcados com cargas (Charged Tags) , que facilitam a detecção e trazem mais informação para análise por espectrometria de massas. Além disso, um estudo da versão assimétrica de MBH clássica catalisada por aminas quirais também será abordada. Neste caso, serão realizados experimentos para a separação de possíveis estereoisômeros formados durante o mecanismo utilizando mobilidade iônica (TWIM-MS). (AU)

Publicações científicas
(Referências obtidas automaticamente do Web of Science e do SciELO, por meio da informação sobre o financiamento pela FAPESP e o número do processo correspondente, incluída na publicação pelos autores)
GALAVERNA, RENAN; CAMILO, NILTON S.; GODOI, MARLA N.; COELHO, FERNANDO; EBERLIN, MARCOS N. Charge Tags for Most Comprehensive ESI-MS Monitoring of Morita-Baylis-Hillman (MBH)/aza-MBH Reactions: Solid Mechanistic View and the Dualistic Role of the Charge Tagged Acrylate. Journal of Organic Chemistry, v. 81, n. 3, p. 1089-1098, FEB 5 2016. Citações Web of Science: 8.
GALAVERNA, RENAN S.; BATAGLION, GIOVANA A.; HEERDT, GABRIEL; DE SA, GILBERTO F.; DARODA, ROMEU; CUNHA, VALNEI S.; MORGON, NELSON H.; EBERLIN, MARCOS N. Are Benzoic Acids Always More Acidic Than Phenols? The Case of ortho-, meta-, and para-Hydroxybenzoic Acids. EUROPEAN JOURNAL OF ORGANIC CHEMISTRY, n. 10, p. 2189-2196, APR 2015. Citações Web of Science: 15.
Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
GALAVERNA, Renan de Souza. Novas abordagens mecanísticas da reação de Morita-Baylis-Hillman (aza, clássica e assimétrica) por espectrometria de massas. 2014. Dissertação de Mestrado - Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Química.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.