Busca avançada
Ano de início
Entree

Perfil de esteróides sexuais e sua relação com os níveis de cortisol em fêmeas de Astyanax bimaculatus e Astyanax fasciatus (Characiformes: Characidae) durante a reprodução induzida em cativeiro

Processo: 12/17289-0
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Mestrado
Vigência (Início): 01 de novembro de 2012
Vigência (Término): 31 de janeiro de 2015
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Fisiologia - Fisiologia Comparada
Pesquisador responsável:Renata Guimarães Moreira Whitton
Beneficiário:Walquiria da Silva Pedra Parreira
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IB). Universidade de São Paulo (USP). São Paulo , SP, Brasil
Vinculado ao auxílio:08/57687-0 - Effects of global climate change of the Brazilian fauna: a conservation physiology approach, AP.PFPMCG.TEM
Bolsa(s) vinculada(s):13/26563-1 - Análise da promiscuidade em receptores corticosteróides e seu papel na reprodução de Astyanax bimaculatus (Teleostei: Characiformes), BE.EP.MS
Assunto(s):Aquicultura   Peixes   Astyanax   Endocrinologia   Fisiologia da reprodução   Reprodução induzida em peixes   Hormônio liberador de gonadotropina   Criação em cativeiro

Resumo

O ciclo reprodutivo em peixes é neuromodulado por fatores externos, tais como fotoperíodo, temperatura, pluviosidade e chuvas. Uma vez que o animal tenha alcançado as condições biológicas mínimas para iniciá-lo, os estímulos externos captados por órgãos receptores, convertidos em sinais eletroquímicos, passam a estimular a síntese e liberação do hormônio liberador de gonadotropinas (GnRH), que via corrente sanguínea, estimula as células gonadotrópicas na hipófise a iniciar a síntese e liberação do FSH (hormônio folículo estimulante) iniciando o processo que levará a conversão do colesterol em testosterona. A testosterona é transportada à camada granulosa, e aromatizada a 17²-estradiol (E2), que age no fígado, estimulando a síntese de vitelogenina, uma glicolipofosfoproteína, que via corrente sanguínea, é "incorporada" pelo ovócito por meio de micropinocitose, promovendo assim o crescimento do ovócito e a incorporação do vitelo. Em resposta a acentuada produção de E2, ocorre o feedback negativo para o FSH e juntamente com a ação do GnRH estimulam a secreção do LH (hormônio luteinizante), que uma vez ligado aos seus receptores na camada granulosa, irá atuar sobre os folículos ovarianos, iniciando o processo de maturação final e consequentemente, a ovulação. Todo esse ciclo pode ser considerado como uma fase muito sensível aos estímulos do ambiente, podendo inclusive alterar os níveis de estresse dos indivíduos, que já submetidos a variantes, como a migração reprodutiva em algumas espécies, temperatura ou chuvas, podem reduzir os níveis circulantes de hormônios esteroides sexuais. Estímulos capazes de gerar altos níveis de estresse podem ainda, produzir respostas diferentes em distintos estágios de maturação, afetando a qualidade dos gametas e podendo influenciar a reprodução de sua prole. Adicionalmente, para muitas espécies de peixes Neotropicais, o processo reprodutivo é bloqueado de alguma forma, quando estes animais são transferidos para o cativeiro, em operações de cultivo, e provavelmente, o estresse gerado pela manutenção destes animais, neste ambiente confinado, pode ser um indicador deste bloqueio. Neste sentido, interferências hormonais são necessárias para proporcionar a maturação final e a ovulação nestas espécies Neotropicais. Assim sendo, vários estudos recentes vêm tentando mensurar a influência do estresse nas etapas finais do evento reprodutivo em espécies Neotropicais com bloqueio de reprodução em cativeiro, como é o caso do presente projeto, pois, busca compreender a correlação entre o estresse e a capacidade reprodutiva de duas espécies de teleósteos filogeneticamente próximas,ambas em situação de bloqueio reprodutivo em cativeiro: Astyanax bimaculatus e Astyanax fasciatus. (AU)

Publicações acadêmicas
(Referências obtidas automaticamente das Instituições de Ensino e Pesquisa do Estado de São Paulo)
PARREIRA, Walquiria da Silva Pedra. Corticosteróides como indutores da ovulação em Astyanax altiparanae (Characiformes: Characidae) durante a reprodução artificial. 2015. Dissertação de Mestrado - Universidade de São Paulo (USP). Instituto de Biociências São Paulo.

Por favor, reporte erros na lista de publicações científicas escrevendo para: cdi@fapesp.br.