Busca avançada
Ano de início
Entree

Obtenção de uma nova proteína recombinante componente do complexo telomérico LAGT1 de Leishmania amazonensis

Processo: 12/17446-9
Linha de fomento:Bolsas no Brasil - Iniciação Científica
Vigência (Início): 01 de novembro de 2012
Vigência (Término): 31 de outubro de 2013
Área do conhecimento:Ciências Biológicas - Genética - Genética Molecular e de Microorganismos
Pesquisador responsável:Maria Isabel Nogueira Cano
Beneficiário:Bárbara Moraes Souza
Instituição-sede: Instituto de Biociências (IBB). Universidade Estadual Paulista (UNESP). Campus de Botucatu. Botucatu , SP, Brasil
Assunto(s):Calmodulina   Telômero   Proteínas recombinantes   Leishmania mexicana   Leishmaniose

Resumo

Dentre as espécies do gênero Leishmania estão parasitas protozoários causadores das leishmanioses, doenças de importância médica com variável espectro clínico. O genoma nuclear destes protozoários apresenta 70 Mb distribuídas em 34 a 36 cromossomos. Os terminais de cromossomos de Leishmania amazonensis, o principal causador da leishmaniose tegumentar nas Américas, são compostos pela repetição da sequência telomérica 5'-TTAGGG-3' a qual é mantida por ação da telomerase. Neste protozoário foram caracterizados diferentes complexos proteína:DNA telomérico e denominados LaGT1-3 se associam in vitro e in vivo com a fita telomérica rica em G. As proteínas LaRbp38 e LaRPA-1 compõem, respectivamente, os complexos LaGT2 e LaGT3. Enquanto que o componente proteico de LaGT1, de tamanho aproximado de 15 kDa, ainda não foi caracterizado e será alvo deste estudo. Resultados anteriores de nosso grupo mostraram que o componente do complexo LaGT1 é o mais abundante e específico para a simples-fita telomérica rica em G, permanecendo associado aos telômeros mesmo sob altas concentrações de sais e variações de temperatura. A purificação do componente proteico do complexo e subsequente análise do sequenciamento de novo, utilizando espectrometria de massa, resultou em uma sequência anotada como calmodulina putativa, cujo gene que a codifica apresenta-se em três cópias em tandem (LmjF09.0910, LmjF09.0920 e LmjF09.0930) no genoma de L. major. A identidade de sequência do gene do parasito com outras calmodulinas ou proteínas ligantes de cálcio, portadoras do domínio conservado ligante de cálcio (do tipo EF-hand), indica que esta pode estar relacionada a alguma função em um cenário que envolva cálcio no contexto telomérico do parasito. Aqui ressalta-se que uma proteína portadora do domínio EF-hand, a KIP (proteína quinase dependente de DNA), foi descrita como parte do complexo telomérico humano por sua interação com a telomerase. Baseando-se nestas informações, o componente proteico de LaGT1 pode ser considerado uma nova proteína e exclusiva do parasito, podendo representar no futuro um alvo específico para drogas anti-parasitárias. Deste modo, esta proposta tem como principal objetivo a clonagem do gene que possivelmente codifica o componente de LaGT1, usando o plasmídeo de expressão em sistema bacteriano, o pQE2. A proteína recombinante será purificada por cromatografia de afinidade e sua estrutura secundária investigada através de ensaio de dicroísmo circular. Caso tenhamos sucesso, esta proteína recombinante será utilizada em estudos de interação in vitro com o DNA telomérico simples fita rico em G.

Mapa da distribuição dos acessos desta página
Para ver o sumário de acessos desta página, clique aqui.